Hoje, a reciclagem de painéis solares é geralmente considerada não lucrativa. Células solares usadas são mais baratas para jogar em um aterro do que reciclar para matérias-primas secundárias. Mas em breve tudo vai mudar, acreditam os analistas da Rystad Energy. Nos próximos anos, o mercado de reciclagem deve explodir e a reciclagem de painéis solares usados ​​se tornará massiva.

Fonte da imagem: Pixabay

Agora, o mercado de reciclagem de painéis fotográficos é estimado em cerca de US$ 170 milhões, mas até 2030 o valor desse mercado disparará para impressionantes US$ 2,7 bilhões ou mais. Em 2050, a tendência só aumentará, elevando o valor desse mercado para US$ 80 bilhões.

A reciclagem de painéis fotográficos é vista como um elemento importante da transição energética, embora ainda esteja em sua infância. Espera-se que a quantidade de resíduos de painéis solares aumente até 2040 para 27 milhões de toneladas por ano. A essa altura, a indústria terá aprendido a devolver à produção cerca de 6% desse lixo, enquanto hoje não é devolvido mais de 0,08% do lixo.

A demanda por matérias-primas recuperadas será impulsionada pela expansão dos parques solares e pela potencial escassez de matérias-primas primárias e restrições logísticas. Simplificando, os painéis solares prometem aumentar de preço, o que nos fará cuidar dos resíduos. No entanto, as tecnologias de extração de elementos úteis de painéis usados ​​também estão sendo aprimoradas, o que tornará sua extração uma medida economicamente lucrativa, se não para todos os elementos, pelo menos para muitos.

«O aumento dos preços da energia, tecnologias de reciclagem aprimoradas e regulamentação governamental podem abrir caminho para um mercado no qual cada vez mais painéis solares que não funcionam são enviados para reciclagem em vez do aterro mais próximo. A reciclagem de painéis fotovoltaicos pode ajudar as operadoras a reduzir custos, superar problemas de fornecimento e aumentar a probabilidade de os países atingirem suas metas de capacidade solar”, disse Kristin Stuge, analista da Rystad Energy.

A Rystad Energy acredita que até 2050, 53% da eletricidade mundial será gerada a partir do sol, o que equivale a 19 terawatts (TW). Isso aumentará significativamente a demanda por minerais e materiais para painéis fotográficos, o que provavelmente tornará as matérias-primas primárias significativamente mais caras. Se assumirmos que a vida média dos painéis é de 15 anos, podemos identificar os maiores mercados para matérias-primas secundárias.

A China provavelmente sairá no topo com um mercado projetado para painéis solares reciclados de US$ 3,8 bilhões até 2037. Em segundo lugar prometem os Estados Unidos – US$ 1,5 bilhão, e em terceiro a Europa – US$ 1,4 bilhão. 200 milhões de painéis em 2037 custarão US$ 9,6 bilhões.

Fonte da imagem: Rystad Energy

Os componentes de painel de maior custo são alumínio, prata, cobre e polissilício. A prata representa cerca de 0,05% do peso total, mas representa 14% do custo dos materiais. O polissilício é produzido em um processo de uso intensivo de energia para atingir a concentração necessária para tornar os painéis solares eficientes, o que se reflete no preço de revenda relativamente alto. O maior volume de material é o vidro, que tem uma alta taxa de reciclagem, mas um valor de revenda relativamente baixo.

Além disso, a extração de matérias-primas secundárias durante o processamento reduz significativamente as emissões de dióxido de carbono na atmosfera, que são obtidas durante o processamento de matérias-primas. Este é outro argumento a favor do uso de recursos secundários para a produção de painéis solares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.