Ontem, o Boeing CST-100 Starliner pousou com sucesso no Novo México (EUA). Antes disso, ele passou quase seis dias no espaço, cinco deles ancorados na ISS. Foi o primeiro acoplamento de uma nova nave espacial tripulada comercial da Boeing com uma estação orbital, o que levou a exploração espacial americana a um novo nível. No entanto, o voo Starliner não pode ser considerado completamente bem-sucedido, embora a NASA ainda prefira não se concentrar em problemas.

Fonte da imagem: NASA

Conforme informamos, durante o voo para a ISS, problemas com os sistemas Starliner começaram logo após a nave se separar do veículo de lançamento Atlas V. Dois dos 12 motores de popa falharam no módulo de serviço da nave. A energia de reserva foi suficiente para colocar a nave em órbita estável e o desastre não aconteceu. Ela também não estaria se vários outros motores tivessem falhado. Então, ao se aproximar da ISS, dois motores de orientação precisa falharam no navio. Por fim, houve problemas com o anel de ancoragem, que teve que ser removido e retraído, o que atrasou em uma hora o cronograma de ancoragem. Também em voo, houve problemas no sistema de refrigeração do navio, que funcionou normalmente, mas ultrapassou os padrões.

Tudo isso não impediu o navio de atracar na ISS, nem impediu que ele fosse desatracado cinco dias depois e desorbitado ao longo de uma determinada trajetória. Mas o pouso também teve problemas. Segundo fontes, a equipe de terra para a evacuação da tripulação não conseguiu iniciar o trabalho imediatamente após a chegada ao navio. Havia sinais de um vazamento de combustível de foguete no ar ao redor do navio, forçando uma retirada e uma tentativa de abrir a cápsula mais tarde. Supõe-se que durante a entrada na atmosfera, outro dos motores do navio falhou, e isso não permitiu a queima total do combustível.

De fato, o voo e o pouso terminaram com segurança. A Boeing e a NASA realizaram testes completos bem-sucedidos do CST-100 Starliner e coletaram dados abrangentes para avaliar o desempenho dos sistemas. Claro, tudo isso ajudará no futuro a tornar os voos no navio mais seguros. Mas ainda há um monte de perguntas desconfortáveis ​​que inevitavelmente surgirão em preparação para a primeira missão tripulada da Starliner.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.