No outono passado, a Mercedes-Benz demonstrou o conceito EQC na exposição IAA Mobility, que está destinado a se tornar um prenúncio da versão elétrica do lendário Gelendvagen, um veículo pesado com tração nas quatro rodas que é inferior aos concorrentes americanos em suas dimensões gerais. É neste modelo que deve estrear um novo tipo de bateria com alto teor de silício no ânodo, que fornecerá ao SUV uma reserva de energia suficiente.

Fonte da imagem: Mercedes-Benz

Como explica um comunicado de imprensa no site da montadora alemã, até 2025, uma cooperação de longo prazo com a jovem empresa californiana Sila Nanotechnologies, que foi fundada em 2011 e começou a receber financiamento da Mercedes-Benz, deve dar frutos até 2025. Os desenvolvimentos da empresa visam criar ânodos para baterias de lítio que, devido ao seu alto teor de silício, podem aumentar a densidade de armazenamento de energia em 20 a 40% até 800 Wh por litro de volume de bateria de tração. É na versão elétrica do Classe G que essas baterias serão lançadas, que serão produzidas com anodos Sila.

Este último fabricará os componentes necessários em suas instalações no estado de Washington, para cuja construção foram alocadas várias centenas de milhões de dólares. Este site usará inicialmente 100% de energia renovável e entrará em operação em 2024. Embora a Mercedes-Benz seja o primeiro cliente comercial da Sila, é improvável que permaneça o único, já que a startup também está em parceria com a rival BMW. A Sila foi fundada por um ex-especialista da Tesla, no ano passado conseguiu atrair cerca de US$ 590 milhões em investimentos, e a capitalização atual da startup é estimada em US$ 3,3 bilhões.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.