Israel reduziu a lista de países com permissão para comprar tecnologias cibernéticas

Israel reduziu a lista de países que podem comprar sua tecnologia cibernética. Isso se deve a preocupações sobre possíveis abusos por parte de governos estrangeiros – o motivo foi o incidente com as ferramentas de hacker do Grupo NSO.

Fonte da imagem: Eduardo Castro / pixabay.com

Segundo o jornal israelense Calcalist, a lista negra inclui México, Marrocos, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos. Em geral, a lista de países admitidos à compra de tecnologias cibernéticas foi reduzida de 102 para 37 vagas. Comentando esta informação, o Ministério da Defesa israelense disse que tomaria “medidas apropriadas” no caso de uma violação dos termos de uso estabelecidos em suas licenças de exportação. No entanto, a agência não confirmou que alguma licença já tenha sido revogada.

Israel tem passado por uma situação difícil desde julho, quando um grupo de organizações internacionais relatou que a ferramenta Pegasus do Grupo NSO foi usada para hackear os telefones de jornalistas, funcionários do governo e defensores dos direitos humanos em vários países. O incidente forçou o estado a repensar a política de exportação cibernética do Departamento de Defesa. De acordo com a organização de direitos humanos Anistia Internacional, México, Marrocos, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos estão entre os países onde o programa Pegasus foi usado para perseguições por motivos políticos.

O Grupo NSO nega qualquer irregularidade, afirmando que vende suas ferramentas apenas para governos e agências de aplicação da lei e está tomando medidas para prevenir o uso indevido. Anteriormente, as autoridades dos EUA colocaram o Grupo NSO na lista negra como entidades comerciais para a venda de software a governos que o usaram indevidamente. Em resposta, a empresa disse que estava decepcionada com a decisão, já que sua tecnologia “apóia os interesses e as políticas de segurança nacional dos Estados Unidos, desencorajando o terrorismo e o crime”. O Grupo NSO recebeu recentemente uma ação judicial da Apple.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *