As operadoras de telecomunicações exigiram uma revisão dos critérios de seleção de recursos da web socialmente significativos

A Comissão de Comunicações da União Russa de Industriais e Empresários (RSPP) e operadoras criticou o projeto de decreto governamental elaborado pelo Ministério da Indústria Digital, que aprova o procedimento para manter uma lista de recursos socialmente significativos para o projeto Internet Acessível. O documento foi publicado em novembro para comentários do público em Regulation.gov.ru.

Fonte da imagem: Pixabay

O projecto “Internet Acessível” está a ser desenvolvido nos termos da Lei “Sobre Internet Acessível”. Desde 1 de abril, por iniciativa do Ministério da Indústria Digital, foi realizada uma experiência para proporcionar às operadoras de telefonia fixa e móvel acesso a sites e serviços socialmente significativos, cuja lista, bem como critérios de seleção e requisitos para proprietários de sites , é definido pelo governo. Os usuários têm acesso gratuito a 371 sites e serviços.

Comentando o documento, a Comissão de Comunicações da União Russa de Industriais e Empresários e os operadores observaram que os critérios propostos são muito vagos e permitem incluir na lista recursos estrangeiros, plataformas de vídeo e serviços com publicidade.

De acordo com o parecer da Comissão RSPP, a minuta do Ministério da Fazenda oferece amplas oportunidades para a interpretação do conceito de “significado social”, e a lista de critérios de seleção é muito restrita. A Comissão observou que isto “não reduz os riscos de perda de uma parte significativa das receitas das operadoras de telecomunicações e não corresponde ao objetivo definido pelo presidente na sua mensagem ao governo no início de 2020 – aumentar o interesse pelos sites domésticos da Internet . ” Essas conclusões foram compartilhadas pela Tele2, e a Rostelecom observou que a redação utilizada na minuta do Ministério da Ciência Digital permite incluir absolutamente qualquer recurso de informação na lista.

O MTS disse ao Kommersant que nos comentários enviados ao Ministério da Ciência Digital propôs esclarecer os critérios a fim de excluir a distribuição de publicidade comercial em recursos socialmente significativos, bem como o acesso gratuito aos sites de organizações comerciais.

Por sua vez, o Ministério da Ciência Digital informou que já fez alterações com base nos resultados da discussão e que o projeto foi “significativamente revisto para melhor atender aos interesses da comunidade de operadoras”. Em particular, o projeto agora introduz diretamente restrições à inclusão na lista de recursos pagos e externos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *