Um juiz negou a moção do CEO da Tesla, Elon Musk, para encerrar seu acordo de 2018 com a Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), que exige que o empresário obtenha todos os seus tweets relacionados à Tesla aprovados por um advogado. Num futuro próximo, Musk pode se tornar o único proprietário do Twitter, mas está privado da capacidade de publicar mensagens sem a participação de um consultor – por isso, acusou a SEC de perseguição e disse que o acordo viola seu direito de liberdade de expressão.

Fonte da imagem: succo/pixabay.com

O juiz que ouviu o caso, Lewis Liman, concluiu que “Musk não foi forçado a assinar o acordo”. Um empresário não pode rescindir um documento “apenas lamentando que naquele momento ele sentiu que deveria tê-lo concluído” e agora “desejaria não tê-lo feito”.

Em 2018, Musk twittou que havia encontrado financiamento para privatizar a Tesla, fazendo com que as ações da empresa disparassem. Com base nos resultados da investigação, a SEC decidiu que o empresário enganou os investidores – a questão foi resolvida por duas multas de US$ 20 milhões da Tesla e pessoalmente de Musk, além da obrigação de verificar com um advogado todo o seu futuro tweets sobre a montadora.

A agência lembrou que Musk concordou voluntariamente com as restrições, e a verificação de mensagens no Twitter por um advogado da Tesla não pode ser vista como uma tentativa do governo de interferir no direito de um empresário de expressar livremente sua opinião.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.