21 de abril de 2021

Avalanche Notícias

Você conectado com o mundo

Autoridades alemãs investigam atividades do Facebook relacionadas a fones de ouvido Oculus VR

3 min read

As autoridades alemãs começaram a verificar o Facebook sobre a legalidade de sua decisão de tornar obrigatório que os proprietários de fones de ouvido Oculus usem sua conta de rede social para autorização. Por suas ações, o Facebook pode violar várias leis alemãs sobre concorrência leal no mercado.

A rede social Facebook é muito popular na Alemanha, de acordo com Andreas Mundt, chefe da Autoridade Federal de Supervisão de Cartéis da Alemanha, que iniciou a auditoria. Além disso, a empresa é uma das líderes no mercado emergente de realidade virtual. A agência verificará se as ações do Facebook não são um abuso de seu domínio.

«Faremos uma investigação, no decorrer da qual descobriremos até que ponto essa exigência é capaz de afetar negativamente a concorrência nessas áreas ”, comentou o Sr. Mundt.

Quando questionado sobre o comentário da Associated Press, o Facebook respondeu que já havia suspendido as vendas de fones de ouvido de realidade virtual Oculus na Alemanha. A empresa não explicou o motivo da decisão, mas ao mesmo tempo confirmou que ela não estava ligada à investigação antitruste iniciada nesta quinta-feira.

Lembre-se que no início do Facebook mudou a política em relação ao uso de fones de ouvido de realidade virtual Oculus, introduzindo a exigência de presença e uso de uma conta na rede social para autorizar o fone de ouvido. O primeiro fone de ouvido a atender a esse requisito foi o recentemente lançado Oculus Quest 2. Todos os futuros dispositivos Oculus VR se enquadrarão no mesmo requisito. Além disso, os proprietários de dispositivos de RV atuais precisam mesclar contas Oculus independentes com contas de mídia social até janeiro de 2023.

A propósito, essas não são as primeiras reclamações das autoridades alemãs ao Facebook. No ano passado, a mesma agência acusou a empresa de explorar sua posição dominante no mercado de publicidade direcionada. O Facebook tem como política obrigar os usuários a compartilhar dados pessoais com suas outras plataformas, incluindo WhatsApp e Instagram, bem como com terceiros por meio dos botões “Curtir” e “Compartilhar”. Como resultado dos procedimentos legais, a empresa teve vários meses para interromper a coleta de dados sobre os usuários sem o seu consentimento. O Facebook recorreu desta decisão em um tribunal de Dusseldorf, que ficou do lado da rede social.

Em junho deste ano, o Supremo Tribunal Federal alemão anulou a decisão do tribunal de Düsseldorf. Ele concordou com os argumentos do Escritório Federal de Fiscalização de Cartéis e destacou que por meio de suas ações o Facebook “não deixa a escolha dos usuários privados da rede social”. A empresa foi obrigada a cumprir as exigências do regulador. Note-se que o principal processo judicial em Düsseldorf ainda está em curso. O Facebook insiste que continuará a defender seus interesses e não concorda em violar nenhuma lei de mercado justo. Também é indicado que a empresa ainda não cumpriu as exigências do Gabinete Federal de Supervisão de Cartéis. Uma audiência neste caso está marcada para 26 de março do próximo ano.

Uma nova investigação pelas autoridades alemãs ficou conhecida literalmente um dia depois que os reguladores antitruste dos Estados Unidos processaram o Facebook pelo que acreditavam estar abusando de seu poder de mercado. Ao adquirir o Instagram e o serviço de mensagens WhatsApp, a gigante da tecnologia passou a ter uma posição dominante no segmento de mídia social.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *