Em 2014, por iniciativa das autoridades da RPC, foi criado o Fundo de Investimento da Indústria de Circuitos Integrados da China (CICF), cujos fundos vieram de bancos apoiados pelo governo e foram distribuídos a empresas envolvidas no desenvolvimento da produção nacional de componentes semicondutores . A iniciativa de substituição de importações paralisada agora está pressionando as autoridades investigadoras a descobrir com que eficiência os fundos do fundo foram gastos.

Fonte da imagem: SMIC

Como explica o Nikkei Asian Review, a atividade no judiciário aumentou à luz do próximo congresso do Partido Comunista Chinês agendado para este outono. A liderança política do país está intrigada com a falta de sucesso óbvio na área de aumento da soberania tecnológica da RPC nos últimos anos. De fato, em 2015, foi decidido que dentro de dez anos, a China deveria aumentar a participação de componentes semicondutores produzidos em seu território para uso doméstico de 10 para 70%. Agora, de acordo com especialistas, esse nível não excede 20 a 30% e não resta muito tempo até 2025.

No final de julho, Ding Wenwu, ex-presidente do fundo de perfil do CICF, foi investigado porque é suspeito de usar fundos públicos para enriquecimento pessoal. Antes de liderar o fundo, Ding Wenwu atuou como chefe do departamento de indústria de semicondutores no Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da República Popular da China. Desde a sua criação, o fundo conseguiu levantar US$ 50,3 bilhões e distribuiu cerca de dois terços desse valor.

No mês passado, as autoridades investigadoras iniciaram processos criminais contra vários outros funcionários associados às atividades da fundação. O ex-chefe do conglomerado chinês Tsinghua Group, Zhao Weiguo, e seu vice, Diao Shijing, foram presos. Os fundos do CICF foram usados ​​para apoiar empresas pertencentes à holding Tsinghua, fabricante de memória YMTC e desenvolvedora de processadores UNISOC.

A China vendeu US$ 150 bilhões em produtos semicondutores no ano passado, três vezes o nível de 2015. Esse volume ainda não foi suficiente para cobrir a demanda doméstica, e o custo equivalente das importações de produtos semicondutores para a China em 2021 dobrou em relação a 2015, para US$ 400 bilhões. Enquanto isso, as sanções dos EUA contra esse setor da economia chinesa, entretanto, só se agravaram. Este ano, foi proibida a exportação para a China de equipamentos que permitem a criação de chips com padrões litográficos de 14 nm ou menos, e as empresas que solicitam subsídios dos EUA devem abandonar os planos de expandir a produção de componentes na China usando tecnologias de até 28 nm inclusive para 10 anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.