Samurai e ninja. Guerreiros japoneses lendários no mundo dos videogames

— Ninguém precisa do caminho do samurai …

— Não é necessário? O que poderia ser mais necessário?

O filme “O Último Samurai”, 2003

As ilhas japonesas, como se estivessem recuperando séculos de auto-isolamento, introduziram muitas imagens vívidas na cultura popular nos séculos XX-XXI. Os guerreiros japoneses são um dos cartões de visita da Terra do Sol Nascente. Disciplina, abnegação, arte marcial à beira das capacidades humanas, armaduras e armas exóticas – as imagens do samurai e do ninja atraem e estimulam o sangue, principalmente os jovens. Com o advento de espadachins e assassinos místicos nas telas de cinema, europeus e americanos se apaixonaram por eles instantaneamente. Os gaijins entusiasticamente arregalaram os olhos gigantes e exigiram mais ninjas, mais samurais. Gamedev, uma cultura tão jovem, tão brincalhona, não podia passar.

Era possível juntar-se ao espírito do samurai mesmo na antiguidade, muito antes do advento de todos os tipos de PlayStation e jogos em CD-ROMs. Na plataforma ZX Spectrum, o jogo Samurai Warrior: The Battles of Usagi Yojimbo era popular na época (o ano de lançamento é 1988). Ela permitiu controlar um samurai, katana, aterrorizante ladrão local. Uma característica interessante foi o sistema de combate – pela primeira vez, o jogador foi forçado a calcular com precisão os golpes com a espada. Ou seja, a katana deveria ter atingido exatamente o corpo do inimigo, com um pequeno raio de destruição e com constante movimento do alvo. Os golpistas da época tratavam esses detalhes com negligência, mas o Samurai Warrior ensinou a ter cuidado. Além disso, o jogo tinha elementos minúsculos, mas ainda assim, de um gênero de aventura: o herói escondeu suas armas em uma bainha e andou pelas aldeias, curvando-se para os transeuntes. O ambiente foi acrescentado pela comitiva do próprio jogo: a ação ocorreu no país dos animais antropomórficos. O personagem principal era uma lebre e lutava com rinocerontes e ursos.

Guerreiro Samurai: As Batalhas de Usagi Yojimbo

A tecnologia não parou e logo ficou mais fácil os jogadores sentirem o cheiro da sakura em flor e serem transportados para a tela no distante Japão. Ferro tornou-se mais difícil, jogos de samurai atingidos começaram a aparecer mais e mais frequentemente. O ano de 2001 foi marcado pelo lançamento no PlayStation 2 da série de jogos mais conhecida, talvez, sobre o Caminho do Guerreiro – Onimusha. A primeira parte da franquia, legendada em Warlords, apresentou o jovem samurai Samonosuke Akechi, uma tempestade de demônios. O herói foi lembrado em grande parte devido ao ator que o interpretou, Takeshi Kaneshiro – essa estrela de cinema asiática trabalhou com mestres como John Wu e Zhang Yimou. A base colorida eram lendas japonesas, e o processo foi uma fusão exemplar de ação e horror à sobrevivência. Samanosuke pegou almas demoníacas com uma luva mágica, acertou com um arco, disparou de um arco, mas a espada samurai ainda era a arma principal (embora houvesse algumas variações mágicas com trovões e raios aqui). As aventuras de Akechi esgotaram em uma circulação impressionante, e Onimusha se tornou uma das séries mais famosas da gigante Capcom. Na terceira parte, o lendário francês Jean Reno até olhou. Curiosamente, todos os quatro principaispartes da série têm uma classificação muito alta de críticos: no agregador de classificação Metacritic, todos os Onimusha são classificados com pelo menos 80%. Os boatos de um renascimento da marca estão na infosfera há muito tempo, e algo nos diz que em breve os demônios não serão bons novamente.

Onimusha: Senhores da Guerra

Quanto aos gêneros de jogos sobre samurais, nas últimas duas décadas, é dada preferência a jogos de ação em terceira pessoa – para que o jogador possa apreciar plenamente o fato de o exército se tornar um herói e admirar a animação de combate. A estética samurai e a bela coreografia de batalha garantiram o sucesso comercial e o reconhecimento de muitos projetos temáticos.

Portanto, foi a parte visual que garantiu a popularidade da ação Genji: Dawn of Samurai (ano de lançamento em 2005, plataforma PS2, desenvolvedora Game Republic). O jogo espremeu todos os sucos do console da sexta geração: entusiastas de artes marciais se alegraram com o cenário colorido, o bestiário asiático único e o estilo incomum de batalha com duas espadas – uma das lâminas segurava o herói samurai com um aperto nas costas. Além disso, Genji: Dawn of Samurai foi lembrado por seu uso competente de câmera lenta, que não parecia pior aqui do que o detetive Payne.

Genji: Da-w oh samurai

A imagem historicamente correta de um samurai, embora em um cenário de mitos revividos, nem sempre atraiu desenvolvedores – são conhecidos exemplos de experiências bem-sucedidas com material de origem. No filme de ação Afro Samurai (2009, Bandai Namco), controlamos um mestre de espadas negras chamado Afro, e o ambiente me lembrou mais a fronteira americana do que as distantes ilhas orientais. A série cult de anime formou a base e a trilha sonora foi tocada por um popular músico estrangeiro conhecido como RZA. Batalhas rápidas com uma katana nas mãos sob um rap groovy inspiraram muitos usuários, mas a sequência fracassada pôs fim à franquia em potencial.

Afro Samurai

Uma abordagem mais séria da narrativa e da mecânica, bem como um raro nível de não linearidade, é sobre a série Way of the Samurai. Não foi sem vandalismo, mas a vida e as façanhas dos samurais aqui estão mais próximas da realidade do que em muitos projetos semelhantes. O primeiro dos quatro jogos da franquia chegou às prateleiras em 2002. Nós vestimos as roupas de um ronin, um samurai sem mestre. A estrada nos levou à cidade, onde a inimizade irrompe entre os clãs. E então a história do nosso ronin se ramificou com uma frequência sem precedentes. Tínhamos que tomar decisões o tempo todo, e cada ato implicava certas consequências. Estávamos livres para tomar um ou outro lado, se envolver em uma ou outra atividade e até remover a katana de sua bainha não era um ato roteirizado, mas o resultado de sua decisão informada. Um sistema de combate flexível e uma grande quantidade de tarefas opcionais estão lado a lado com gráficos ruins – e estamos falando das quatro partes de Way of the Samurai. Mas onde mais você encontra a oportunidade de atacar com as costas de uma katana? Afinal, dessa forma, você pode salvar a vida de qualquer oponente, e a história se transformará em uma direção não óbvia. Potencial para repetiçãoAs orientações são sobre samurais, como afirma a série Way of the Samurai.

Caminho do Samurai 4

No entanto, o samurai é principalmente um guerreiro, não um aventureiro. Essa verdade lembra o estúdio Omega Force, conhecido por sua infinita série de Warriors (a franquia foi lançada pela Dynasty Warriors em 1997). A fórmula “heróis lendários no meio de uma grande batalha” ganhou popularidade mesmo durante o primeiro PlayStation, mas inicialmente era sobre heróis chineses. Em 2004, um ramo dos guerreiros samurais apareceu e aqui os japoneses severos entraram no campo de batalha. Sim, as diferenças eram principalmente externas, mas a incrível armadura samurai parecia realmente fresca depois de todas essas penas, fitas e sinos chineses. Sim, e na mecânica do ramo dos samurais, surgiram novas fichas: invadir castelos e ninjas indescritíveis como oponentes.

Samurai Warriors

Uma série de jogos de ação criminal no mundo aberto Yakuza também abordou o tema dos nobres samurais. Em 2008, Ryu ga Gotoku Kenzan!, Também conhecido como Yakuza Kenzan, foi lançado. A ação foi transferida das ruas de neon de uma metrópole moderna para o final da Idade Média do início do século XVII. O jogo não era para os mafiosos japoneses, mas para o mestre das espadas Musashi. Os principais elementos eram familiares para os fãs de Yakuza: as maneiras da cidade grande, o drama sério no coração da trama e a massa de classes opcionais. Mas os samurais deram ao jogo uma atmosfera única com sua arte marcial: em Kenzan, vários estilos de batalha estavam disponíveis, inclusive sem armas, e vários QTEs proporcionaram um alto grau de entretenimento. O público aceitou o jogo de maneira muito favorável, e Kenzan foi seguido por outro ramo com o subtítulo Ishin (2014). A ação se desenrolou no século 19, mas o tópico samurai ainda não havia sido encerrado – naqueles dias, os samurais ainda andavam pelas ruas das cidades japonesas em grande número, Japão, Kenzan e Ishin surgiram apenas no mercado asiático e estão disponíveis apenas em japonês. Embora valha a pena considerar que a SEGA adotou recentementefranquia, lançando remakes dos primeiros jogos, e também – inesperadamente, mas legal! – Portando, finalmente, para o PC vários episódios da série. Num futuro próximo, há uma boa chance de reproduzir projetos de samurai da Yakuza em um PC ou PlayStation.

Yakuza Kenzan

Lembre-se da variação de samurai – e muito bem-sucedida – do RPG “emotivo”. O primeiro Nioh foi lançado em 2017, o segundo – este ano, e até agora permanece exclusivo da Sony (aparentemente temporário). A habilidade de combate do samurai é mostrada aqui da maneira mais detalhada e profunda. Uma dúzia de tipos distintos de armas, três racks, um grande número de truques – especialmente as cabeças sensíveis dos jogadores podem girar. Aqui, a propósito, também está o lado sombrio de Bushido – os combates em Nioh se mostraram bastante complicados: para ativar a nova técnica, era preciso subir na selva da interface áspera, o número de teclas no gamepad simplesmente não era suficiente e, usando algumas habilidades, era necessário desativar as outras. Mas, seja como for, a campanha de um verdadeiro samurai (bem, que ele seja um gaijin-inglês no primeiro jogo e um meio-demônio no segundo jogo) mostrou incrível variabilidade e meticulosidade no combate a lutas com armas brancas. Era difícil lutar com lanças nos corredores – armas penduradas nas paredes, um kusarigama exótico com uma corrente permitia controlar uma grande quantidade de espaço, o machado de batalha era lento, mas mortal. Apesar defantasia onipresente e mitos nacionais, no sistema de combate Nioh, você pode encontrar elementos da verdadeira arte do samurai. Por exemplo, um privilégio ativo separado é o iai-jutsu, a arte de extrair a katana de sua bainha, seguida por um golpe rápido. Samurais de verdade prestaram muita atenção em aprimorar essa habilidade. E Sir William, do primeiro Nioh, combinou com sucesso as habilidades do samurai e do ninja muito antes do protagonista do próximo Ghost of Tsushima: ele esmagou os monstros com shurikens e kunai venenosos, espalhando espinhos afiados ao redor e de todas as maneiras possíveis, evitando as regras da luta justa.

Nioh

A ação de um bom filme de ação samurai não precisa ocorrer no Japão quinhentos anos atrás. Um dos melhores jogos de ação 2D dos últimos anos, Katana ZERO, leva o jogador à moderna metrópole de pixels. Em meio a um tumulto de luzes de neon, o mercenário Samurai realiza contratos arriscados. O jogo entrelaçou harmoniosamente motivos asiáticos e europeus, e o protagonista de quimono, com uma espada no cinto, parece surpreendentemente apropriado nos raios laser de uma boate. O Katana ZERO foi lembrado por sua ação rápida e realmente muito rápida, e pela oportunidade de acertar uma bala de katana, os desenvolvedores devem dizer um agradecimento especial.

Katana ZERO

A imagem de um samurai se encaixa perfeitamente no cânone do gênero do jogo de luta, onde a essência se resume a um duelo. Então, Yoshimitsu, do clã Manji, apareceu ao mesmo tempo em duas lendárias séries de luta: Tekken e Soul Calibur. No entanto, nesses jogos, os pandas de batalha, Geralt de Rivia e o mestre de orelhas Yoda brilhavam como personagens. Mas a série Samurai Shodown se concentra especificamente no samurai da era feudal das ilhas japonesas. Essa marca é conhecida desde 1993 e foi recentemente considerada muito digna do Samurai Shodown 2019 (os guerreiros reais não precisam, aparentemente, de números no nome e todos os tipos de legendas). Sim, entre os personagens da série, você pode encontrar um general chinês e alguns americanos impensados ​​- Ersquake e Galford, mas é apenas mais divertido. A série é caracterizada pelas velocidades mais altas: iniciantes perdem, não tendo tempo para entender o que exatamente está acontecendo. Se você não se incomoda com a estilística do anime, essa franquia deve ter uma chance. Em nossa área, o Samurai Shodown não é particularmente popular por algum motivo.

Samurai Shodown (2019)

Podemos lembrar exemplos bem-sucedidos da aparência dos samurais no gênero RTS. O jogo Battle Realms (2001) tinha uma aparência única e uma série de mecânicas originais. Alguns críticos em vão o chamaram de clone Command & Conquer de uma só vez, mas foi tão aceito: depois que a estratégia do Westwood Studios foi lançada, os clones da C&C marcaram tudo por muitos anos, por nada e por nada. Mas a história de Kenji, o filho do príncipe Daima, em Battle Realms, foi lembrada por um estilo peculiar peculiar, clãs coloridos e uma abordagem séria da economia. A mecânica de recrutar o exército era interessante e nova: para conseguir um soldado de infantaria ou arqueiro, era necessário levar um simples camponês para o quartel para treinamento. O jogo foi um sucesso comercial e, atualmente, no acesso antecipado ao serviço Steam, você pode encontrar uma remasterização – Battle Realms: Zen Edition.

Reinos de Batalha

Os temas samurais nem sempre eram servidos com uma expressão séria. Vale lembrar a excelente estratégia de Skulls of the Shogun (desenvolvida pela 17-BIT, publicada não por ninguém, mas pela própria Microsoft em 2013). Na história, o samurai caído cai na terra dos mortos e – quem duvida – é novamente confundido com hostilidades. Esqueletos com armaduras samurais a cavalo pareciam pelo menos engraçados. O jogo foi distinguido por uma imagem de desenho animado agradável e um sistema de combate surpreendentemente profundo.

Crânios do Shogun

E no popular jogo tático Shadow Tactics: Blades of the Shogun (o trabalho do estúdio alemão Mimimi Games, mais recentemente esse time disparou o sucesso Desperados III) que vimos em nossa equipe o livro samurai Mugen e o ninja Hayato.

O ninja para desenvolvedores sempre foi uma maneira menos atraente que o samurai.

A série de jogos ninja mais respeitada, duradoura e reconhecível, talvez, seja a Shinobi. O primeiro jogo da marca foi lançado em 1987 e, desde então, Sinobi examinou quase todas as plataformas possíveis (o último Shinobi hoje foi lançado em 2011 no console 3DS), foi observado nas primeiras máquinas caça-níqueis que apareceram no espaço pós-soviético no início dos anos noventa. , mudou-se para três dimensões nos consoles da sexta geração, com os jogos Shinobi (2002) e Nightshade e, eventualmente, se tornou o reconhecido jogo de ação clássico de arcade. Não se falou em realismo na série: geralmente um herói mascarado abateu helicópteros com shurikens ou lutou com vilões nas asas de um caça voador. Por tal tumulto de fantasia, a marca se apaixonou. Como convém a um ninja, o protagonista dos jogos Shinobi foi capaz de acrobacias incríveis, realizou combates corpo a corpo e esmagou o inimigo com armas de arremesso. Um caminho muito semelhante passou por uma série de lutadores Ninja Gaiden (lançado em 1988), só que aqui a ênfase estava no vigoroso hardcore.

Shinobi (2011)

Muitas vezes, os jogos ninjas tiram da história real dos guerreiros das sombras apenas atributos externos. Todo o outro conteúdo desses jogos é importado do país da Fantasia. Isso, no entanto, não produz filmes de ação piores sobre o ninja. Um exemplo exemplar é o Ninja Blade. O jogo foi lançado em 2009 pela equipe FromSoftware, em cujas paredes, a propósito, a série Souls apareceu. Ninja Blade se tornou um filme de ação feroz e espetacular que descartou não apenas as regras do ninjutsu, mas também as leis da lógica com a física. Aqui, um herói com roupas ninjas pula de um avião sem pára-quedas, pula por arranha-céus e corta túmulos de aranhas do tamanho de um trólebus. Divertido e provocador.

Ninja Blade

Mas nos voltaremos para jogos temáticos mais sérios, onde guerreiros invisíveis são mostrados com ênfase na história real. Um dia de trabalho muito legal do ninja é demonstrado pela série de console Tenchu. De 1998 a 2008, as franquias foram lançadas em diversos consoles, e os três primeiros são merecidamente considerados uma declaração exemplar sobre o tema dos ninjas. Em Tenchu, o segredo era primordial: os shinobi experientes com gamepads nas mãos realizavam missões sem descer dos telhados e sem sobressair o nariz dos matagais de bambu sem emergência. Aqui o inimigo, pego de surpresa, é um inimigo morto. Curiosamente, quando um espião foi descoberto, guerreiros experientes escaparam de todo o local, mas o jogador ainda tinha uma chance escassa, mas não havia chance de revidar em uma batalha aberta. Isso deu ao jogo nitidez e autenticidade: as histórias reais do Japão medieval dizem que em um conflito direto, as chances de um ninja não eram muito grandes.

Até certo ponto, a série britânica de estratégias globais Total War deve seu sucesso ao mesmo ninja. No primeiro jogo da franquia, Shogun: Total War, os ninjas brilhavam com habilidade e poderiam ser mais úteis sozinhos que um exército. O jogo instantaneamente se apaixonou por vídeos legais onde todas as missões ninjas eram mostradas. A equipe da Assembléia Criativa abordou com responsabilidade a autenticidade histórica. Assim, algumas tentativas de assassinato contra os comandantes ninjas inimigos foram feitas com roupas: um camponês estava rolando um carrinho pela rua, mas depois de um segundo o samurai já estava morto ao lado dele. E sem máscaras com espadas por trás. Uma característica importante em Shogun: Total War era que todos os ninjas podiam falhar em uma missão. Ou seja, para cada vídeo, várias opções finais foram preparadas. Como resultado, mexer com o ninja foi muito emocionante.

Shogun: Total War 2

Quase um subgênero separado derrubou um ninja no formato de um jogo de plataformas bidimensional. Os interessados ​​podem participar da pura adrenalina do thrash: o jogo Super House of Dead Ninjas com críticas extremamente positivas no Steam está ao seu dispor. Um belo jogo de plataformas com um ninja estrelado por Shadow Blade migrou de dispositivos móveis para um PC com o prefixo Reload. Pixel Shinobi Nine Demons of Mamoru dá-lhe a oportunidade de apreciar a variedade de arsenal ninja.

Lâmina das Sombras: Recarregar

Mas o melhor ninja bidimensional está escondido nas sombras do jogo Mark of Ninja. Este sucesso absoluto foi desenvolvido pela equipe Klei Entertainment (dilogia Shank) em 2012. Acabou muito elegante, emocionante e até convincente. Aqui, um ninja marcado com uma tatuagem mágica age exatamente como um mestre das sombras. Seu método de combate é a única facada mais segura nas costas. Em uma batalha aberta com mercenários bombeados, praticamente não há chance, a menos que você derrube o vilão com um chute habilidoso do telhado de um prédio. Mas principalmente estamos escondidos aqui. O ninja ganha pontos de experiência valiosos quando guardas embainhados passam. Mark of Ninja tornou-se um exemplo vívido do jogo que em um mundo ideal deveria ser uma série, mas em nossa realidade ainda não aconteceu.

marca do ninja

Os desenvolvedores de jogos interpretam a imagem de um ninja com bastante liberdade, porque o misticismo e o eufemismo acompanham os guerreiros das sombras. Em um dos melhores jogos do ano passado, Sekiro: Shadows Die Twice, um shinobi apelidado de Wolf, originalmente serve como guarda-costas, não como um assassino comissionado. Somente depois de “preencher o serviço”, depois de perder o cliente e entregar a barganha, Wolf recorda os métodos antigos e começa a eliminar discretamente os culpados e os envolvidos. No entanto, o foco de Sekiro estava em um excelente sistema de combate corpo a corpo aberto, com desvios e contra-ataques.

Mas os desenvolvedores dinamarqueses da IO Interactive, os criadores da brutal série Hitman e o intransigente filme de ação Freedom Fighters, em 2009, lançaram inesperadamente Mini Ninjas. O sinobi e o samurai locais pareciam ter escapado da Vila Sésamo, e o jogo em si estava cheio de doçura concentrada. E sob a respiração no kit havia uma ação rica e variável. Sim, com esses ninjas você precisa estar pronto para qualquer coisa!

Mini Ninjas

Por razões óbvias, nem todos os jogos dignos de samurai e ninja entraram no material. Estamos aguardando suas declarações nos comentários – indique os videogames que fizeram você se sentir um mestre da katana ou um silencioso ninja das sombras.

avalanche

Postagens recentes

Capitalização da Ford cresce mais forte do que todas as montadoras em 2021

As ações da Ford subiram cerca de 140% em 2021, ultrapassando a Tesla, seu maior…

1 semana atrás

Capitalização da Apple ultrapassa a marca de US $ 3 trilhões

O valor de mercado da Apple ultrapassou US $ 3 trilhões na segunda-feira, 3 de…

1 semana atrás

CEO da AMD revela processador Rembrandt de 6 nm antes do anúncio oficial na CES 2022

A presidente e CEO da AMD, Lisa Su, postou hoje no Twitter uma imagem do…

1 semana atrás

Os carros elétricos ocupam 65% do mercado de carros novos na Noruega em 2021

Os veículos elétricos foram responsáveis ​​por quase dois terços de todas as vendas de carros…

1 semana atrás

A Samsung atualiza sua linha de TV: Micro LED de 89 polegadas e grandes melhorias de software

A Samsung apresentou suas primeiras TVs Mini LED na CES 2021 e elas são consideradas…

1 semana atrás

O orçamento do smartphone Samsung Galaxy A03 começará a ser vendido em 10 de janeiro a um preço de US $ 150

A Samsung apresentou oficialmente o smartphone econômico Galaxy A03 no início de dezembro. No entanto,…

1 semana atrás