As autoridades chinesas começaram a abusar do poder de controle social por meio de um sistema digital nacional para combater o COVID-19 e aplicativos relacionados. Os serviços rastreiam o movimento e as compras dos usuários, limitando suas opções em função das ações, não do diagnóstico. A informação é do Financial Times.

Fonte: Pixabay

Ao contrário de outros países, as autoridades chinesas usaram aplicativos especiais para combater o COVID-19. Eles foram usados ​​ativamente por causa da política de tolerância zero para a doença. Como resultado, os serviços ganharam o direito de rastrear uma enorme quantidade de dados do usuário – geolocalização, compras, informações sobre testes para COVID-19, status de vacinação e muito mais. O código verde permite que você vá a qualquer lugar, o amarelo – você precisa passar no teste e o vermelho – vá para o auto-isolamento ou quarentena.

Jornalistas afirmam que após dois anos da pandemia, os serviços começaram a abusar das informações recebidas. A moradora de Pequim Guo Rui disse que depois de comprar um remédio para resfriado, que agora exige uma carteira de identidade na China, foi negado o acesso a locais públicos – o pedido mudou seu estado de saúde. Uma mensagem apareceu na tela com a proibição de visitar locais públicos e a exigência de fazer um teste para COVID-19. Além disso, o smartphone apitou fortemente, após o que as pessoas ao seu redor se dispersaram.

Mas o caso mais impressionante foi em Zhengzhou, onde as autoridades locais mudaram os códigos de mais de mil pessoas para vermelho para impedi-los de protestar contra os bancos rurais locais, onde seus depósitos podem desaparecer em breve, pois os bancos estão à beira do colapso. O interlocutor da publicação disse que não pôde ir a Zhengzhou devido a uma mudança de status no pedido. Ele recebeu o status vermelho de “chegou do exterior” sem motivo.

Ao mesmo tempo, o governo chinês insiste que o sistema de aplicativos anti-covid se destina exclusivamente à saúde. Em Zhengzhou, o órgão anticorrupção local condenou na quarta-feira cinco funcionários por alterar códigos “sem permissão”.

Agora, graças ao rastreamento de uma enorme quantidade de dados, as autoridades de saúde chinesas estão respondendo rapidamente aos casos de infecção. Um dos exemplos mais marcantes foi a identificação de três pacientes em um dos distritos de Pequim. Por causa disso, as autoridades colocaram em quarentena 9.785 cidadãos que tiveram contato com eles em três dias e proibiram outras 77.000 pessoas de visitar locais públicos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.