Num futuro previsível, o número de especialistas russos em TI com direito legal de adiamento do exército pode ser reduzido. Até 1º de agosto, o Ministério da Transformação Digital estudará a viabilidade de apertar as condições de credenciamento, permitindo que funcionários de empresas de TI solicitem o adiamento.

Fonte da imagem: Carl Heyerdahl/unsplash.com

Segundo o Izvestia, citando fontes do ministério, as empresas provavelmente terão que provar que parte significativa de sua receita vem da venda de empreendimentos de TI para evitar abusos de benefícios. De acordo com a publicação, para já, para obter a acreditação de uma empresa, basta submeter a candidatura através do site de serviços públicos, sendo a abrangência da atividade da empresa confirmada simplesmente pelo código OKVED. As novas medidas devem levar em conta a parcela de funcionários diretamente envolvidos em tecnologia da informação, bem como a parcela da receita do desenvolvimento e implementação de TI. Praticamente não há critérios exatos para determinar as empresas de TI hoje, então as autoridades estão consultando os representantes do setor.

De acordo com especialistas do setor, hoje a obtenção de credenciamento e deferimento para funcionários é realizada literalmente em modo de notificação, usado por bancos e empresas estatais com grandes departamentos de TI. Ao mesmo tempo, é bastante difícil determinar critérios de seleção claros – por exemplo, uma startup envolvida exclusivamente no desenvolvimento de TI e existente no estágio inicial apenas às custas dos investidores pode não receber receita e lucro por algum tempo.

Ao mesmo tempo, a iniciativa, que envolve estreitar o círculo de funcionários que podem se qualificar para diferimentos e outros benefícios, tem fortes oponentes. Segundo o Izvestia, a Rostec acredita que o apoio estatal deve ser fornecido a “especialistas em todos os cargos de tecnologia da informação” de qualquer estrutura doméstica. A Rostec já se candidatou ao Ministério da Transformação Digital com a iniciativa correspondente. Adicionalmente, a estatal propõe estender benefícios e outras medidas de apoio a empresas que não estejam diretamente relacionadas ao desenvolvimento de software, mas que se dedicam ao comércio atacadista de equipamentos de informática, software, manutenção de sistemas de informática ou, por exemplo, treinamento de usuários. Não há benefícios para eles, pois o percentual de receita do desenvolvimento de software nessas estruturas é insignificante.

De acordo com os dados disponíveis, muitas empresas já separaram os departamentos de TI em pessoas jurídicas distintas para receber benefícios com pré-registro sob as cláusulas do OKVED, o que permite obter o credenciamento. Alguns especialistas consideram tal medida bastante oportuna, pois permite não estender os benefícios, por exemplo, a uma instituição de crédito na íntegra, mas garantir o máximo tratamento favorável às suas estruturas, totalmente focadas em desenvolvimentos informáticos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.