Meta*, Twitter, Google e Microsoft, bem como outros gigantes da tecnologia e empresas de mídia, estão determinados a se unir na luta contra a desinformação online de acordo com a versão mais recente do Código de Prática sobre Desinformação, publicado pela Comissão Europeia e, finalmente, assinado por dezenas de instituições.

Fonte da imagem: Austin Distel/unsplash.com

O Código é um conjunto de obrigações que os signatários devem cumprir para combater as falsificações digitais. Tais medidas incluem a desmonetização da desinformação, recusando-se a colocar anúncios ao lado de notícias falsas ou bloqueando os lucros da disseminação de desinformação online. Além disso, a publicidade política deve ser rotulada de forma inequívoca.

Além disso, estão previstos mecanismos pelos quais os dados das plataformas de mídia social devem se tornar mais “transparentes” e acessíveis aos pesquisadores, e o trabalho das pessoas envolvidas na verificação de fatos também deve ser apoiado. Conforme relatado pelo The Register, a UE atualizou suas regras devido à disseminação de contas falsas, bots e deepfakes gerados por IA. Os signatários do documento prometem tornar pública sua política interna de combate à manipulação de conteúdo e devem provar que seus algoritmos usados ​​para reconhecer e moderar deepfakes são confiáveis.

No momento, 33 organizações assinaram a nova versão do código, incluindo plataformas sociais, fornecedores de software, empresas de mídia e participantes do mercado publicitário. Embora a assinatura seja voluntária, algumas de suas disposições são obrigatórias para todas as empresas de acordo com a Lei Europeia de Serviços Digitais (DSA) – sua violação pode resultar em multa de 6% da receita anual.

Os signatários terão seis meses para tomar medidas de combate à desinformação. Espera-se que eles apresentem relatórios detalhados sobre as medidas tomadas à Comissão Europeia já no início de 2023.

* Está incluído na lista de associações públicas e organizações religiosas em relação às quais o tribunal tomou uma decisão final para liquidar ou proibir atividades com base na Lei Federal nº 114-FZ de 25 de julho de 2002 “Sobre o combate ao extremismo atividade”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.