EUA garantiram título de líder mundial em mineração de bitcoin

Os Estados Unidos se tornaram o principal país do mundo para mineradores de bitcoin, ultrapassando a China pela primeira vez na história. A mudança de líder era previsível depois que a RPC proibiu a mineração e, em geral, todas as operações com criptomoedas. No entanto, um relatório publicado pela Universidade de Cambridge tornou oficial esse status.

Fonte: pexels.com

De acordo com o Cambridge Center for Alternative Finance, em julho os Estados Unidos responderam por 35,4% do hashrate de bitcoin – este termo se refere ao poder de computação total dos mineiros. E isso é 428% a mais do que em setembro de 2020. A China respondeu por 67% do mercado global em setembro do ano passado. No entanto, após a introdução da política rígida de Pequim sobre criptomoedas em geral, o líder simplesmente não pôde deixar de mudar e os mineiros começaram a deixar a China em massa, continuando suas atividades em países com os menores preços de recursos energéticos.

Os EUA são realmente lucrativos para os mineiros que procuram um novo lar. Nos estados de Washington e Nova York, a energia hidrelétrica é muito desenvolvida, então a presença de grandes mineradoras também é grande aqui. Além disso, as mineradoras estão se voltando para produtores de energia nuclear. No Texas, os preços da energia estão entre os mais baixos do mundo e esse é um critério fundamental para os mineradores, para os quais os pagamentos de energia são praticamente a única fonte de custos. Os consumidores também firmam acordos com produtores de petróleo usando gás natural que, de outra forma, seria lançado na atmosfera.

O estado está desenvolvendo ativamente a indústria de energia renovável – a partir de 2019, até 20% da eletricidade aqui era gerada por turbinas eólicas. O Texas tem uma rede elétrica com tarifas no atacado que mudam em tempo real. O consumidor tem a capacidade de mudar rapidamente de fornecedor, e o poder político no estado é fortemente a favor da indústria de criptomoedas.

Источник: pexels.com

Fonte: pexels.com

O surgimento dos Estados Unidos como líder mundial não é um sucesso espontâneo, mas o resultado de muitos anos de preparação. Antes de a mineração de bitcoin começar em escala industrial na América, algumas empresas em todo o país apostavam que, com a infraestrutura certa, jogadores de outros países poderiam ser atraídos. Quando a taxa de bitcoin caiu drasticamente no final de 2017, empresas especializadas decidiram aproveitar a oportunidade e começaram a organizar projetos de infraestrutura. Com isso, a maior parte dos equipamentos de mineração produzidos de maio a dezembro de 2020 foi enviada para os Estados Unidos e Canadá.

A alternativa aos Estados Unidos é o Cazaquistão, que responde por 18,1% da mineração de criptografia do mundo. No entanto, alguns especialistas estão confiantes de que o país não conseguirá manter sua posição. Mineiros chineses começaram a se mudar para cá após a proibição na China, transportando equipamentos obsoletos. No entanto, quando terminar seu mandato, as mineradoras irão atualizá-lo e mover as operações para o oeste. Isso será facilitado por impostos adicionais para mineradores, que serão introduzidos no Cazaquistão em 2022.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *