Cientistas britânicos alertaram sobre a ameaça de mudança de personalidade por meio de neuroimplantes

Um grupo de cientistas do Imperial College London publicou os resultados de um estudo que fala sobre os perigos potenciais do uso de chips eletrônicos implantados no cérebro. Os especialistas têm certeza de que tais dispositivos podem mudar a personalidade humana.

Fonte: gizmodo.com

Em seu estudo, os cientistas primeiro listam os benefícios que os neuroimplantes podem trazer para os humanos. Pessoas com funções motoras limitadas podem controlar suas próteses e cadeiras de rodas elétricas, pessoas incapazes de falar podem digitar texto simplesmente olhando para a tela e ligar e desligar as luzes da sala por meio do sistema de casa inteligente. Esses chips podem detectar fadiga em funcionários de depósitos e sinais de fadiga mental em alunos.

Mas os perigos dessa tecnologia podem ser muito maiores. Se a conexão com o chip for bidirecional, a pessoa em algum ponto pode perder a consciência da interferência na atividade de seu próprio cérebro. Isso levará à perda do livre arbítrio, o que significa que os neuromplantes, em teoria, serão capazes de influenciar o comportamento humano. Uma pessoa, em última análise, perderá a capacidade de estabelecer relações causais corretamente, perderá seus traços de caráter e o dispositivo em sua cabeça formará uma nova personalidade.

No entanto, mesmo que todos esses cenários terríveis não funcionem, os neuroimplantes representam uma ameaça, mesmo se usados ​​de boa fé. Os cientistas já estão usando dispositivos semelhantes em experimentos de laboratório em voluntários. Com o tempo, diz o estudo, algumas pessoas ficam tão confortáveis ​​com os chips cerebrais que se recusam a removê-los quando os testes terminam. Nisso eles se parecem com viciados em drogas.

E quando a tecnologia estiver pronta para entrar no mercado público, e quando esses chips se tornarem relativamente baratos, a humanidade pode esperar uma nova era de “entretenimento neural”. Os impulsos cerebrais permitirão que os videogames sejam controlados e as grandes corporações poderão usar as emoções e a personalidade humanas para extrair benefícios materiais. A este respeito, concluem os cientistas britânicos, é necessário preparar um quadro legislativo no qual se introduza o conceito de “dados neurais pessoais”, garantindo a sua protecção a nível estatal.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *