A ByteDance, proprietária da imensamente popular rede social global TikTok, foi criticada pelo Greenpeace em um relatório sobre o impacto climático dos provedores de nuvem e operadores de data centers chineses em 2022. Trechos do relatório são publicados pela Datacenter Dynamics.

No ranking do Greenpeace East Asia 2022 entre operadoras de data centers, a GDS ocupa o primeiro lugar em termos de sustentabilidade ambiental, mas mesmo essa empresa está longe de gigantes da tecnologia ocidentais como o Google, que declaram 100% de uso de energia renovável (talvez estejamos falando de a chamada “camuflagem verde”, em teoria permitindo “no papel” usar mais de 100% dessa energia). O proprietário do TikTok é o terceiro maior provedor de nuvem, atrás apenas da Tencent, Alibaba e Baidu e outras empresas. Este é o terceiro ranking anual do Greenpeace dedicado a empresas chinesas de nuvem e data centers.

Fonte da imagem: ByteDance

Sabe-se que em 2020 o Greenpeace já criticava as operadoras chinesas por usarem a energia do carvão, que não abandonaram um ano depois, e a transparência de seus relatórios também não aumentou. O Greenpeace prevê que os data centers em nuvem chineses dobrarão suas emissões até 2035, em grande parte devido aos ganhos de desempenho sem o aumento do uso de energia renovável. Mas isso é apenas parte da imagem. Assim, com emissões de Escopo 3, pelas quais não são as próprias empresas, mas os participantes de suas cadeias tecnológicas, a situação provavelmente é ruim – 80% das empresas locais não divulgam esses dados em seus relatórios.

Fonte da imagem: Greenpeace

Segundo o Greenpeace, a ByteDance nem está tentando competir com suas contrapartes na China em termos de compromisso com os valores verdes e não vai usar exclusivamente energia renovável (como JD.com) ou alcançar a neutralidade de carbono. Ao mesmo tempo, oito gigantes da tecnologia locais – Alibaba, Tencent, Baidu, GDS, Chindata Group, VNET Group, Bohao Internet Data Services e Guangdong Aofei Data Technology – pretendem alcançar a neutralidade de carbono do Escopo 1 e Escopo 2 até 2030, e GDS , Tencent, Alibaba e Baidu já iniciaram compras em massa de energia renovável.

Fonte da imagem: Greenpeace

O Greenpeace gostaria que todas as empresas de tecnologia chinesas se comprometessem a alcançar a neutralidade de carbono do Escopo 1-3 e 100% de energia renovável até 2030. É claro que, conforme observado no relatório, eles devem divulgar seu impacto ambiental ao Greenpeace e se recusar a comprar créditos de carbono que permitem o uso de tecnologias bastante “sujas”, ao mesmo tempo em que pagam pela implementação de ecoprojetos – como prática é comum em todo o mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.