A Administração Central do Ciberespaço da China compartilhou planos para acelerar a implementação do IPv6 no contexto da onipresença de serviços em nuvem, dispositivos IoT e redes 5G. As autoridades do país anunciaram uma série de metas ambiciosas para 2022. Sabe-se que a China planeja mudar completamente para o IPv6 até 2030.

Assim, até o final do ano, está previsto receber 700 milhões de usuários ativos de IPv6 (com uma população de mais de 1,4 bilhão de pessoas) e 180 milhões de conexões IPv6 de dispositivos de Internet das Coisas, e a essa altura 13% do tráfego das redes de comunicações fixas e 45% do tráfego móvel também deverão ser transferidos para o novo protocolo. 85% do governo, bem como os principais serviços comerciais online, também terão que dominar o IPv6.

Fonte da imagem: Tumisu/pixabay.com

Finalmente, este protocolo deve ser habilitado por padrão em todos os novos roteadores domésticos. O governo também pretende incentivar a transição para o IPv6 de plataformas em nuvem, serviços de streaming e uma série de indústrias importantes, como o setor financeiro e a agricultura. Esta é, em parte, uma medida necessária, pois o setor de telecomunicações do país precisa urgentemente de novas ferramentas devido ao crescimento constante e bastante rápido, facilitado pelo plano geral de digitalização da China.

Somente no primeiro trimestre de 2022, de acordo com o Ministério da Indústria e Informatização da RPC, as receitas de serviços em nuvem cresceram 138,1% em relação ao mesmo período do ano passado, enquanto os setores de Big Data e IoT cresceram 59,1% e 23,9%, respectivamente. O país também fez progressos óbvios na construção de estações base 5G. Até o final de março, seu número na China atingiu 1,56 milhão de unidades, das quais 134.000 foram construídas nos primeiros três meses do ano.

Fonte da imagem: Huawei

Nessas condições, a disseminação do IPv6 é crítica. O novo plano das autoridades chinesas prevê “a participação ativa da nação” na formação de padrões não apenas locais, mas também internacionais para a Internet do futuro. Na China, eles pretendem promover o novo padrão New IP em vez da pilha TCP/IP usual. A Huawei propôs isso à União Internacional de Telecomunicações (UIT), embora o desenvolvimento de padrões relevantes seja realizado principalmente pelo IETF e IEEE.

No entanto, a iniciativa foi recebida de forma morna por essas instituições internacionais, uma vez que o novo protocolo não garante compatibilidade com versões anteriores e, na verdade, duplica o trabalho já realizado pelo IEEE e IETF. A Cisco afirma que os padrões existentes são bastante consistentes com os pedidos chineses. Além disso, o uso de soluções existentes evitará o precedente da China empurrando o padrão por meio da mediação da UIT, que normalmente não tem nada a ver com esse processo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.