Cientistas do Oxford Internet Institute realizaram um estudo no qual estudaram o comportamento de 40.000 jogadores e descobriram que os jogos de computador não prejudicam a saúde mental de uma pessoa – exceto nos casos em que o jogo se torna um viciado.

Fonte da imagem: Olya Adamovich / pixabay.com

Os autores do estudo não conseguiram encontrar uma relação causal entre os jogos e a saúde mental dos jogadores, independentemente do gênero do jogo. No entanto, há uma clara diferença entre os jogadores que jogam “porque querem” e aqueles que jogam “porque sentem que precisam”, disse o professor Andrew K. Przybylski, membro sênior do Instituto. A saúde mental dos primeiros jogos não teve efeito, independentemente de quanto tempo essas pessoas passaram jogando – eles causaram “um forte sentimento positivo”. Mas o segundo realmente piorou.

Jogos de vários gêneros foram usados ​​como parte do estudo: Animal Crossing: simulador de vida New Horizons, simulador de corrida Gran Turismo Sport, além de sucessos online, incluindo Apex Legends e Eve Online. O professor Przybylski diz que não houve diferença no impacto na psique – se o jogador acabou na ilha em Animal Crossing ou lutou na batalha real de Apex Legends.

Fonte da imagem: Sam Williams / pixabay.com

O estudo de Oxford é único por muitas razões. Em projetos anteriores, os jogadores foram solicitados a manter diários nos quais descreviam suas experiências, mas desta vez eles deram permissão para coletar dados do jogo em tempo real. A amostra de 40 mil pessoas também impressiona. No entanto, isso não é suficiente, o professor Przybylsky tem certeza: os cientistas ainda têm acesso a um conjunto limitado de dados e há muito mais jogadores no mundo. De acordo com seus cálculos, cerca de um bilhão de pessoas gostam de jogos de computador e existem cerca de 3.000 projetos apenas na plataforma Nintendo. E tirar conclusões com base em sete jogos é semelhante a estudar um supermercado com base em sete produtos nas prateleiras.

Vale a pena notar o fato de que os cientistas tiveram que negociar diretamente com os jogadores, já que Sony, Microsoft e Nintendo têm relacionamentos bastante complicados com desenvolvedores que seriam difíceis de convencer de que a pesquisa científica em andamento é principalmente do interesse dos próprios jogadores. Os dados pertencem aos jogadores, não às plataformas ou desenvolvedores, e os pesquisadores avançariam rapidamente coletando dados diretamente das plataformas.

«Os jogadores querem saber qual o impacto dos jogos. Os cientistas querem saber. Os pais querem saber. Quer conhecer o governo. Eu quero saber e tenho informações. Esses dados devem ser abertos e fáceis de compartilhar. Se as grandes plataformas de jogos se preocupam com o bem-estar de seus jogadores, precisam dar aos jogadores e cientistas a oportunidade de entender qual o impacto que seus produtos têm sobre nós: para o bem ou para o mal”, finalizou o professor Przybylski.

Os resultados do estudo foram publicados na revista Royal Society Open Science.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.