Os sistemas de reconhecimento facial são impotentes contra Máscaras médicas

yzfmm2rkmmi3njg0mdvkzdzmy2jhzmrjzgvkmjvlntrjnwfjmgnhyjm5mtmwotawzta0mzcyzjvhntu4njrkmq-2849237

Usar uma máscara médica não apenas protege contra o coronavírus, mas também impede que uma pessoa seja identificada usando algoritmos especiais de reconhecimento facial, de acordo com um novo estudo realizado por cientistas do Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia dos EUA (NIST).

Javier Barbancho / Reuters

A fonte diz que, durante o estudo, 89 algoritmos de reconhecimento facial foram testados, os quais, em condições normais, produzem resultados errôneos em cerca de 0,3% dos casos. No entanto, quando os algoritmos foram testados em pessoas que usavam máscaras médicas, a taxa de erro aumentou para 5-50%. O estudo foi realizado em colaboração com o Departamento de Segurança Interna e a Alfândega e Proteção de Fronteiras dos EUA, que usam a tecnologia de reconhecimento facial para rastrear o movimento de pessoas e identificar criminosos em todo o país.

Com base no trabalho realizado, verificou-se que nem todas as máscaras médicas protegem efetivamente contra os sistemas de reconhecimento facial. Um dos resultados é bastante óbvio: quanto mais a superfície do rosto é coberta pela máscara, mais difícil é identificar uma pessoa usando algoritmos especiais. Outra descoberta curiosa do estudo é que as máscaras negras são melhores do que outras na proteção contra sistemas de reconhecimento facial.

«Nenhum desses algoritmos foi projetado para lidar com máscaras de proteção. Quando se trata da precisão do reconhecimento de pessoas mascaradas, esperamos que a tecnologia continue melhorando ”, comentou Mei Ngan, um cientista do NIST. Ela também acrescentou que, no final deste ano, os cientistas pretendem testar algoritmos projetados para identificar pessoas usando máscaras médicas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *