A Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço dos EUA (NASA) divulgou as primeiras imagens coloridas e dados espectroscópicos do Telescópio Espacial James Webb. Essas imagens demonstram claramente as capacidades do maior e mais poderoso telescópio espacial, que permitirá aos cientistas abrir uma nova era da astronomia.

Fonte da imagem: NASA, ESA, CSA e STScI

«Hoje apresentamos à humanidade uma visão fundamentalmente nova do espaço do Telescópio Espacial James Webb – uma visão que o mundo nunca viu antes. Essas imagens, incluindo a imagem infravermelha mais profunda já tirada do nosso universo, nos mostram como o Webb pode ajudar a responder a perguntas que nem sabemos como fazer; perguntas que nos ajudarão a entender melhor nosso universo e o lugar da humanidade nele”, disse o CEO da NASA, Bill Nelson.

Os objetos para as primeiras observações científicas do telescópio James Webb foram selecionados pelos esforços conjuntos de cientistas da NASA, da Agência Espacial Européia, da Agência Espacial Canadense e do Instituto de Pesquisa Espacial usando um telescópio espacial:

Aglomerado de galáxias SMACS 0723 / Fonte da imagem: NASA, ESA, CSA e STScI

SMACS 0723 é um aglomerado de galáxias com uma distância de acompanhamento de 5,12 bilhões de anos-luz, localizado na constelação de Peixes de Peixes. A câmera NIRCam (Near-Infrared Camera) foi usada para monitorá-lo. A imagem é formada pela combinação de fotografias tiradas em diferentes comprimentos de onda durante um período de 12,5 horas.

WASP-96b Dados Espectroscópicos Atmosféricos / Fonte da Imagem: Créditos: NASA, ESA, CSA e STScI

O espectro de transmissão da atmosfera do planeta gasoso WASP-96b, que está localizado na constelação de Phoenix a cerca de 1000 anos-luz da Terra. A massa do exoplaneta é aproximadamente igual à metade da massa de Júpiter. A primeira observação do telescópio mostrou sinais da presença de água na atmosfera do WASP-96b, o que não foi registrado durante estudos anteriores deste objeto.

Nebulosa da Margem Sul / Fonte da Imagem: NASA, ESA, CSA e STScI

A Nebulosa da Orla Sul é uma nuvem de gás em expansão que envolve uma estrela moribunda e fica a cerca de 2.000 anos-luz do Sol. Esta nebulosa planetária está localizada na constelação de Parus.

Stephan’s Quintet Group / Fonte da imagem: NASA, ESA, CSA e STScI

O Quinteto de Stephen é um grupo compacto de galáxias na constelação de Pégaso. O telescópio espacial conseguiu romper o véu de poeira que envolve o centro de uma das galáxias do grupo para observar a composição do gás próximo ao buraco negro supermassivo ali localizado. Esses dados ajudarão os cientistas a avaliar como as galáxias em interação induzem a formação de estrelas umas nas outras e como o gás nessas galáxias é perturbado.

Nebulosa Carina (NGC 3372) / Fonte da imagem: NASA, ESA, CSA e STScI

Além disso, “James Webb” conseguiu ver as “rochas espaciais” na Nebulosa de Carina, localizada na constelação de Carina a uma distância de cerca de 7600 anos-luz do Sol. É uma das maiores regiões de formação de estrelas em nossa galáxia Via Láctea. A altura das maiores “rochas” na imagem publicada é de cerca de 7 anos-luz.

A publicação das primeiras imagens coloridas e espectros do Telescópio James Webb marca o início de uma nova era na astronomia. O observatório espacial permitirá que cientistas de todo o mundo observem vários objetos localizados dentro do sistema solar, bem como todo o caminho até o universo primitivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.