sáb. mar 28th, 2020

Avalanche Notícias

Você conectado com o mundo

Não pague o minimo da fatura! Veja aqui o porquê!

4 min. de leitura

Você é do tipo que usa bastante o cartão de crédito? Além disso, você tem o hábito de pagar o mínimo da fatura todo o mês?

Saiba que esse é um comportamento muito comum entre as pessoas, afinal quando se estar apertado é normal recorrer ao cartão de crédito, certo?

Afinal de contas, com ele você pode parcelar uma compra com um valor maior, não é mesmo?

Sendo assim, basicamente o pagamento em crédito funciona como um empréstimo.

Ora, você usa o limite disponível e se compromete em pagar a fatura na data estabelecida por você, certo?

Então, perto do vencimento, a fatura é fechada com os gastos que você teve naquele mês.

Nesse cenário, o recomendado é sempre fazer o pagamento total da fatura, mas isso nem sempre é possível.

Contudo, esteja ciente de que pagar o mínimo da fatura não é o mais vantajoso. Quer saber o porquê?

Bom, nesse artigo você vai entender exatamente porque essa prática não é recomendada. Então, continue a ler!

Conheça os juros rotativos

Os juros do cartão de crédito também são conhecidos como juros rotativos e eles surgem quando você não paga o valor total da fatura no mês.

Assim sendo, esse crédito rotativo consiste em um crédito fornecido pelo banco ou instituição financeira quando você não faz o pagamento total do débito dentro do prazo de vencimento.

Desse modo, ele se trata de uma espécie de saldo negativo e que você vai precisar pagar na próxima fatura.

O grande problema é que se você paga o valor mínimo, em média de 15% do total da fatura, no mês seguinte você vai receber a fatura com o saldo da dívida do mês passado, mais os juros rotativos que você ficou em débito.

Aliás, segundo as novas regras do cartão de crédito, o usuário não pode pagar esse valor mínimo por dois meses seguidos.

Caso isso aconteça, por ele não ter condições de arcar com a dívida, o banco ou a instituição financeira é obrigado a fornecer uma linha de crédito com juros mais baixos, que variam entre 1,9% a 9,99% ao mês.

Esse é um cenário melhor, já que até dois anos atrás as taxas do crédito rotativo eram bem altas, chegando a ser superiores ao cheque especial.

Porém, com as novas regras do cartão que entraram em vigor, esse valor se encontra um pouco mais baixo, mas ainda não é vantajoso pagar o mínimo da fatura.

Na ponta da caneta

Falando assim pode parecer um pouco confuso, certo? Por essa razão, veja um exemplo que você pode usar na ponta da caneta para entender melhor.

Para começar, veja o valor da porcentagem de juros que é cobrado pelo seu cartão de crédito, que, normalmente, vem indicado na fatura.

Estando ciente desse valor, é só seguir os passos abaixo:

  1. Diminua ou subtraia o valor total pelo mínimo pago, onde o resultado alcançado será o montante que vai retornar no mês seguinte;
  2. Em seguida, já com o valor na ponta da caneta, calcule a porcentagem de juros que é cobrado pelo seu cartão;
  3. Depois sobre o valor do rotativo, faça o cálculo do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) mensal e diário, que são 0,38% e 0,0082%, nessa ordem;
  4. Por fim, some os valores e veja quanto você vai precisar pagar no mês seguinte.

Veja um exemplo prático

Para ficar ainda mais fácil entender, veja abaixo um exemplo bem prático!

  • Valor da fatura: R$ 900,00;
  • Valor mínimo: R$ 50,00;
  • Juros do cartão: 8%;
  • IOF mensal: 0,38%;
  • IOF diário: 0,0082%.

Feito isso, você deve seguir os passos abaixo:

  1. R$ 900,00 – R$ 50 = R$ 850
  2. 8% de R$ 850 = R$ 68,00
  3. 0,38% de R$ 850 = 3,23 e 0,0082% de R$ 850 x 30 (30 dias no mês) = R$ 2,09
  4. R$ 850,00 + R$ 68,00 + 3,23 + 2,09 = R$ 923,32.

Dessa forma, o valor de R$ 923,32 será cobrado na fatura do mês seguinte, que é muito maior do que o valor da sua fatura atual.

Entendeu agora por que não é positivo fazer o pagamento mínimo da fatura? Pois você acaba devendo mais, o que pode acabar se tornando uma verdadeira bola de neve.

O que fazer então?

Primeiro de tudo você precisa se organizar para não continuar fazendo o pagamento mínimo da fatura.

Então, busque ajuda de familiares ou até mesmo amigo para cobrir esse valor total da fatura.

Se não for possível, como foi dito, e caso isso aconteça duas vezes seguida, a administradora do cartão vai entrar em contato com você para entrarem em um acordo.

Nesse sentido, é ideal que você seja sincero falando sobre o real valor que você consegue pagar, mas desde que seja coerente.

Afinal de contas, se você tem uma dívida de 2 mil, por exemplo, não vai ser possível quitar ela com R$ 200,00.

Em seguida, se organize financeiramente para pagar a nova dívida na data correta, evitando que esse cenário volte novamente a acontecer.

Aqui é válido salientar que você deve começar a fazer economias, tendo todo o cuidado para não exagerar na utilização do cartão.

Conclusão

Viu como pagar o mínimo da fatura não é vantajoso, pois você pode pagar o que deve e ainda mais os juros e outas taxas?

Sendo assim, sempre que possível, evite fazer esse tipo de pagamento, pois ele pode comprometer totalmente a sua saúde financeira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *