A Xiaomi, que lançou um projeto de carro elétrico de US$ 10 bilhões há algum tempo, enfrentou obstáculos inesperados dos reguladores chineses. De acordo com a Bloomberg, citando fontes do setor, o conhecido fornecedor vem negociando sem sucesso com a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da China há vários meses.

Fonte da imagem: Xiaomi

A Xiaomi já está um pouco atrasada em entrar no mercado chinês de carros elétricos, que já conta com muitas empresas – da chinesa BYD e NIO à americana Tesla. No entanto, um dos fundadores da Xiaomi, Lei Jun, que supervisiona essa direção, expressou a esperança de que a experiência da Xiaomi em tecnologias eletrônicas conectadas e na criação de comunidades de usuários fiéis possa ser útil no maior mercado de veículos elétricos. No entanto, quanto mais tempo as empresas não emitirem uma licença para a atividade relevante, maior será a vantagem de seus futuros concorrentes.

Um conhecido fabricante de smartphones e eletrônicos está procurando ativamente novos pontos de crescimento. Embora a Xiaomi espere que as autoridades dêem luz verde ao projeto do veículo elétrico, alguns dos principais gestores temem que o processo de licenciamento force um atraso nos planos corporativos. A filial envolvida no desenvolvimento de veículos elétricos foi registrada em setembro de 2021, o que permitiu que o fornecedor solicitasse licenças há muito tempo.

Segundo a Bloomberg, a dificuldade da Xiaomi em obter licença para fabricar veículos elétricos pode dificultar o desenvolvimento de veículos elétricos e contribuir para atrasar a estreia do primeiro carro da empresa, prevista para 2024. Também pode haver outras desvantagens, incluindo a redução da participação disponível no mercado chinês de carros elétricos, que está sendo ativamente reivindicado por rivais em rápido crescimento como Nio, Xpeng e Li Auto.

Fonte da imagem: Andrew Roberts/unsplash.com

Recentemente, as autoridades chinesas reforçaram o controle sobre o setor de veículos elétricos após a recente “febre” do mercado, que resultou em uma série de falências de alto nível. Aqueles que desejam solicitar uma licença de fabricação são agora obrigados a apresentar um conjunto de documentos para comprovar sua viabilidade financeira e tecnológica, e o processo de análise do pedido pode levar meses. Além disso, às vezes o governo rejeita os pedidos, então a empresa precisa começar a coletar documentos literalmente do zero.

No entanto, a Bloomberg acredita que a falta de licença tem um impacto limitado no desenvolvimento da Xiaomi. A divisão de veículos elétricos já conta com mais de 1.000 funcionários e a empresa ainda afirma apresentar o primeiro carro em 2024. Anteriormente foi relatado que o primeiro protótipo estará pronto no terceiro trimestre deste ano. A fabricante já comprou terrenos nos subúrbios de Pequim para construir uma fábrica de montagem e adquiriu várias start-ups relacionadas a veículos elétricos para tecnologia adicional.

No início de 2021, Lei Jun prometeu investir US$ 10 bilhões na produção de máquinas sob a marca Xiaomi ao longo de 10 anos. O empresário dedica a maior parte do seu tempo ao negócio da eletromobilidade, deixando de lado a gestão de outros projetos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.