O hidrogênio russo ajudará a tornar muitas economias líderes mais limpas

A transição para o uso do hidrogênio como combustível para transporte e geração de energia deve ter um papel significativo na “descarbonização” das economias e na redução da “pegada de carbono”. A Rússia vê isso como uma base favorável para diversificar seu “portfólio de energia” na forma de aumentar as exportações de hidrogênio. Em particular, negociações acirradas sobre o fornecimento de hidrogênio estão em andamento com as autoridades e empresas japonesas.

Reabastecimento com hidrogênio em uma estação em Tóquio. Fonte da imagem: Reuters

Hoje, a agência de notícias japonesa Nikkei publicou uma entrevista com o vice-ministro da Energia, Pavel Sorokin. Pelos dados publicados, segue-se que até 2035 Moscou planeja embarcar anualmente até 2 milhões de toneladas de hidrogênio para exportação.

Dependendo do processo tecnológico, o hidrogênio é convencionalmente dividido em cinza, azul e verde (em termos de composição, são todos iguais). A maneira mais barata de produzir hidrogênio cinza é que ele seja produzido pelo processamento de combustíveis fósseis (gás natural ou carvão) das maneiras mais simples. É mais caro obter o hidrogênio azul, pois no processo de sua produção é necessário capturar e processar todas as emissões nocivas, inclusive os gases de efeito estufa.

O hidrogênio verde é normalmente obtido por eletrólise usando energia de fontes renováveis. A Rússia planeja produzir hidrogênio verde a partir de usinas nucleares, sobre as quais já existe um acordo preliminar com a Rosatom.

energyvulture.com

Energyvulture.com

Hoje, a Rússia produz hidrogênio para uso em seu setor industrial doméstico, mas o país espera exportar 200.000 toneladas por ano até 2024 e aumentar as exportações dez vezes até 2035. Sorokin disse que a Rússia tem grande potencial na comercialização de hidrogênio e que o país estará constantemente investigando a questão de desenvolver métodos alternativos para sua produção. Até agora, o mesmo método de produção de hidrogênio por eletrólise representa de metade a um quarto dos custos, o que não pode ser considerado a solução ideal.

Os papéis principais em projetos para desenvolver tecnologias para a produção, armazenamento e transporte de hidrogênio são desempenhados pela Gazprom, Rosatom, Rostec e a Academia Russa de Ciências. A Rússia espera fornecer hidrogênio não apenas para o Japão, onde as células de combustível estão ganhando popularidade, mas também para a China, a Coréia do Sul e até a Europa, para os quais está sendo considerada a questão do transporte de hidrogênio pelos gasodutos existentes. Em particular, a Alemanha e a França parecem ser compradores promissores de hidrogênio da Rússia.

A Agência Internacional de Energia prevê que a demanda global de hidrogênio ultrapassará 130 milhões de toneladas em 2040 e 500 milhões de toneladas em 2070, ante 71 milhões de toneladas em 2019.

Um porta-voz da Rosatom disse ao Nikkei que sua subsidiária, o Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão e a Kawasaki Heavy Industries, estão realizando um estudo de viabilidade para um programa piloto de entrega de hidrogênio da Rússia ao Japão, a ser concluído até o final de 2021. Mas esta não é a única empresa japonesa com a qual negociações preliminares estão em andamento. Provavelmente algo semelhante está acontecendo em outros países. O gás natural, como se viu, pode se encaixar perfeitamente na energia verde, se feito com sabedoria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *