A Comissão Europeia está tentando desenvolver requisitos para os participantes do mercado regional de baterias de tração para veículos elétricos, o que os obrigaria a garantir o uso de uma proporção específica de matérias-primas recicladas até uma determinada data. Os fabricantes de baterias sul-coreanos estão convencidos de que os requisitos do projeto de lei estão longe de ser realistas e razoáveis.

Fonte da imagem: Samsung SDI

Como explica a Business Korea, a versão atual do projeto de lei exige que os fabricantes de baterias usem pelo menos 12% de cobalto, 4% de lítio e 4% de níquel obtidos pela reciclagem de matérias-primas em suas atividades na União Europeia a partir de 2030. A partir de 2035, os números serão aumentados para 20% para o cobalto, 10% para o lítio e 12% para o níquel. Os fabricantes sul-coreanos acreditam que as metas propostas estão longe da realidade.

A LG Energy Solution tem uma grande instalação na Polônia, e a Samsung SDI e a SK On têm instalações de baterias de lítio na Hungria. No ritmo atual de migração para veículos elétricos, os requisitos de reciclagem das autoridades europeias serão difíceis de atender, de acordo com representantes do setor. Simplesmente não haverá baterias de tração em fim de vida suficientes no mercado e, para cumprir a lei, as empresas teriam que reciclar algumas baterias novas. Dessa forma, o projeto de lei aumentaria significativamente os custos dos participantes do mercado europeu, conforme concluem os especialistas.

Felizmente, os autores da iniciativa estão prontos para consultar fabricantes coreanos e outros fabricantes de baterias de tração para ajustar os requisitos do projeto de lei para outros mais realistas. A versão final do documento será desenvolvida até o início do próximo ano, quando está prevista a apresentação do projeto de lei para discussão no Parlamento Europeu. Em sua forma atual, as exigências das autoridades europeias dão à Northvolt uma vantagem inicial, que fica atrás dos concorrentes coreanos em volumes de produção de baterias, mas está à frente deles em reciclagem. Também há vozes na UE pedindo preferência por produtos de empresas de origem local, o que claramente não será benéfico para os fornecedores coreanos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.