A presença de muitos sensores e sistemas terrestres externos para navegação e computação geralmente ajuda os drones a ter um desempenho muito melhor do que os disponíveis para pilotos humanos. A equipe da Universidade de Zurique (UZH) tentou verificar o que aconteceria se carros e pessoas competissem “em pé de igualdade”, sem suporte de informações externas.

Fonte da imagem: IEEE SPECTRUM

Há um ano, os quadricópteros de corrida do Robotics and Perception Group da Universidade de Zurique conquistaram uma vitória esmagadora sobre uma equipe humana. Ao mesmo tempo, os drones contavam com sistemas externos de controle de movimento e outros eletrônicos auxiliares, além de seus próprios sensores, e as pessoas contavam apenas com câmeras que mostravam imagens em primeira pessoa em um fone de ouvido VR.

No início deste mês, uma equipe de pilotos campeões chegou a Zurique, querendo vingança. Desta vez a corrida foi “justa” – drones autônomos poderiam usar apenas sistemas de bordo para navegação e controle. De acordo com um dos pilotos humanos, o drone autônomo completou uma volta a uma velocidade máxima de 110 km/h em 5,3 segundos. O homem estava 1,8 segundos atrás para a volta. Se um drone autônomo com suporte externo sempre conhece sua localização exata e outros indicadores, uma pessoa precisa confiar principalmente na imagem “da primeira pessoa” e na intuição.

Nas novas competições “justas”, não foram utilizadas soluções auxiliares externas, os participantes tiveram tempo para treinar no percurso da corrida. Ao mesmo tempo, drones autônomos foram treinados em um modelo CAD.

Os drones autônomos usavam apenas sensores Intel RealSense com visão estéreo para navegação, enquanto os humanos usavam aeronaves com monocâmeras capazes de transmitir vídeo, com melhor resolução e taxa de quadros do que as máquinas autônomas.

A corrida em Zurique contou com a presença de três pilotos de drones de classe mundial que completaram mais de 700 voltas no total antes da competição. O drone pilotado por humanos é pintado de vermelho, enquanto seu rival autônomo é azul.

As competições foram realizadas a uma velocidade máxima de 80 km/h, e o drone autônomo ficou à frente do participante humano mais rápido por 0,5 segundos em três voltas. Segundo os organizadores, os resultados da competição demonstram claramente quais habilidades “sobre-humanas” as máquinas autônomas receberam. No entanto, a aplicação de tais habilidades no mundo real fora do hangar controlado ainda está muito distante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.