Os negócios de eletrônicos da Foxconn no Vietnã começaram antes de Donald Trump lançar uma “guerra comercial” com a China, mas agora outros fatores estão estimulando a migração da produção para a China. A Foxconn emprega cerca de 60.000 pessoas no Vietnã, mas aumentará significativamente a equipe nos próximos dois anos, e a empresa já tem que lutar por especialistas locais com concorrentes.

Fonte da imagem: Getty Images, Sam Yeh/AFP

De acordo com a Bloomberg, citando o presidente do conselho de administração da Foxconn, Yang Liu, os concorrentes chineses da empresa construíram suas empresas no Vietnã ao lado das empresas da Foxconn e agora estão envolvidos na caça furtiva de pessoal, o que indigna o maior parceiro da Apple e não pode ser ignorado por eles. . . Qual dos concorrentes é condenado por tal comportamento, o chefe da Foxconn não especifica, mas agora três empresas com raízes chinesas têm bases de produção no Vietnã: Luxshare Precision Industry, GoerTek e BYD. Este último vai iniciar a produção de tablets iPad no Vietnã, os dois primeiros produzem fones de ouvido sem fio AirPods.

A Foxconn tem a maior equipe no Vietnã fora da China, com cerca de 60.000 funcionários. No próximo ano ou dois, a empresa pretende aumentar significativamente o número de funcionários no Vietnã, embora não especifique quanto. Em 2020, a Foxconn iniciaria a produção de tablets iPad e laptops MacBook em uma nova instalação no norte do Vietnã e, somente em 2021, a empresa esperava investir US$ 700 milhões no desenvolvimento deste site. A Bloomberg não tem informações se a planta no Vietnã iniciou as operações no ano passado conforme planejado, e Yang Liu não fez nenhuma declaração sobre isso ontem.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.