A Apple e a Ericsson continuam um processo em que um fabricante de equipamentos de telecomunicações acusou uma empresa americana de usar ilegalmente tecnologias patenteadas, incluindo aquelas relacionadas ao 5G. Esta semana, a Ericsson conseguiu obter a proibição da venda de iPhone e iPad na Colômbia. Em resposta, a Apple entrou com uma ação de emergência no tribunal, apesar de um juiz dos EUA já ter alertado a empresa para não abusar do sistema judicial.

Fonte da imagem: 9to5Mac

O cerne da questão é que os novos iPhones e iPads usam tecnologia de comunicação patenteada pela Ericsson. A empresa sueca acusou repetidamente a Apple de práticas desleais para evitar o pagamento de royalties pelo uso de várias tecnologias, incluindo as relacionadas ao 5G. A Ericsson entrou com duas ações judiciais sobre esse assunto no estado do Texas no início deste ano.

A Ericsson teve sucesso esta semana na Colômbia, onde um tribunal local ordenou a suspensão de todas as vendas do iPhone no país e ordenou que a Apple notificasse seus fornecedores. Em resposta, a Apple entrou com uma petição de emergência no tribunal do Distrito Leste do Texas na tentativa de recuperar os danos da Ericsson na Colômbia. A fonte observa que o juiz do Texas negou a moção da Apple, citando a empresa por abusar do procedimento de moção de emergência em casos que não são.

O juiz decidiu que as perdas da Apple não eram “danos inevitáveis ​​e irreparáveis” causados ​​por ações policiais em outras jurisdições. Parece que a Apple terá que se sentar à mesa de negociações com a Ericsson. A consideração do caso sobre o uso ilegal de tecnologias patenteadas da empresa sueca será considerada em um tribunal do Texas em dezembro deste ano, e as partes devem iniciar a mediação oficial até setembro.

De acordo com as regras, a Apple deveria ter apresentado uma petição regular, não uma de emergência. “Moções urgentes são feitas apenas em circunstâncias realmente emergenciais e não devem ser usadas como meio de agilizar processos e audiências”, disse o tribunal do Texas em comunicado. Além disso, o juiz ameaçou a Apple com penalidades em caso de violação repetida de procedimentos estabelecidos.

Curiosamente, o colapso do tribunal do Texas não convenceu a Apple e a empresa agora tenta obter uma liminar contra a venda do iPhone e iPad na própria Colômbia derrubada. Segundo relatos, a Apple acusou a Ericsson, os advogados da empresa sueca e o tribunal colombiano que emitiu a proibição de violar direitos humanos básicos. Em seu comunicado, a empresa americana ainda se refere ao oitavo artigo da Declaração Universal dos Direitos Humanos. No entanto, até agora essas ações não ajudaram a anular a decisão judicial que proibiu a venda de iPhone e iPad no país.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.