5b009aa6f7de3e69500b6fd47ef34c7a-5800480
Publicações on-line correram para entrevistar Lisa Su depois de outro evento marcante para toda a indústria de servidores – o lançamento de processadores EPYC de 7 nm na família de Roma com arquitetura Zen 2, que CEO da AMD na apresentação sem hesitação chamou o mais produtivo do mundo entre x86 compatível. Desprovida de declarações sensacionais, mas lembrada por comentários interessantes, a entrevista foi publicada pela TheStreet.
A conversa com o CEO da AMD durou quase dezenove minutos, e Lisa Su conseguiu notar que a empresa realmente adere à previsão existente sobre a taxa de expansão de seus produtos no segmento de servidores. Até o final do ano passado, ela conquistou cerca de 5% a 6% do mercado de processadores para servidores compatíveis com x86, e a empresa espera quebrar a linha de 10% no segundo semestre de 2020. Lisa Su explicou que este não será o ponto final da viagem, e a AMD certamente alcançará maior participação no mercado de servidores, mas isso acontecerá mais tarde. Especialistas da Atlantic Equities, por exemplo, anunciaram recentemente que os processadores da AMD ocuparão um quarto do mercado de servidores em apenas dez anos.

Fonte da imagem: YouTube, TheStreet

A própria Lisa Su acrescenta que mesmo esses 10% até o final do próximo ano é um indicador médio e, em algumas áreas, os processadores EPYC poderão ocupar fatias de mercado mais significativas. Por exemplo, agora esses processadores são vendidos melhor no segmento de computação de alto desempenho e sistemas “em nuvem”. Servidores com um único soquete de processador também ganharão popularidade, já que um processador EPYC pode oferecer até 64 núcleos e, para algumas tarefas, isso é o bastante.
Lisa Su é cética sobre a ideia de criar processadores híbridos para servidores. Segundo ela, nesse sentido é melhor trabalhar na aceleração da troca de dados entre processadores gráficos centrais e discretos. A AMD está pronta para suportar todos os consórcios do setor que criam essas interfaces, se isso beneficiar as soluções de servidor da empresa.
O crescente lucro da AMD, segundo o diretor da empresa, permitirá, se necessário, pensar em adquirir alguns ativos importantes. Assim, a AMD não põe fim à ideia de aquisições e fusões, só é importante perceber que tais transações devem ter valor estratégico. Finalmente, Lisa Su refuta rumores de suas próprias intenções de mudar da AMD para um trabalho mais promissor com um sorriso envergonhado. Segundo ela, ela trabalhou por cinco anos como CEO da AMD, e isso é apenas o começo do caminho, ainda há muito a ser feito, e ela não vai parar por aí.
.

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.