e9e59b3948553cd246330429be3e91f2-4237228
Em casos urgentes, o diagnóstico rápido com base nas informações disponíveis pode ser uma questão de vida ou morte. O mesmo pode ser dito de situações imprevistas. Com equipamentos médicos limitados, atrasos no diagnóstico podem tornar os casos urgentes ou críticos. O ultra-som permite o diagnóstico preciso, eficaz e não invasivo de muitas doenças, incluindo apendicite, distúrbios cardíacos e muitas doenças urológicas e ginecológicas.
  
Mas a maioria dos serviços de emergência e médicos não são treinados para trabalhar com esses equipamentos, ou não estão equipados com dispositivos apropriados. A empresa francesa DESKi, participante do programa NVIDIA Inception, utiliza tecnologias de inteligência artificial para tornar as tecnologias de ultrassom mais eficazes tanto para os funcionários quanto para os pacientes no local de primeiros socorros.
“O fato de que dois terços da população mundial não tem acesso a tecnologias de imagens médicas é um enorme problema de saúde pública”, disse Bertrand Moal, diretor executivo da DESKi. “O ultra-som é uma tecnologia não invasiva e acessível e pode ser usado para diagnosticar doenças de muitos órgãos, o que o torna uma ferramenta de diagnóstico ideal no local de primeiros socorros para não especialistas”.
Para este fim, o DESKi criou o DeepEcho. Este sistema combina os algoritmos de aprendizagem profunda treinados com a poderosa estação NVIDIA DGX, bem como dispositivos de ultra-som portáteis modernos que podem ser conectados a telefones celulares e tablets para que até enfermeiros de emergência possam identificar problemas no campo da cardiologia em situações de emergência.

Usando muitos dados de treinamento dos principais departamentos de cardiologia, a DESKi desenvolveu várias redes neurais que podem determinar se o sensor de ultrassom DeepEcho está na posição correta para obter imagens precisas e de alta qualidade do coração. A empresa também treinou seus algoritmos para medir automaticamente a fração de ejeção do ventrículo esquerdo, o que deve ajudar no diagnóstico de insuficiência cardíaca.
Para treinar seus algoritmos, o DESKi usa dados de pesquisas cardíacas anônimos do Hospital Universitário de Bordeaux, no qual cardiologistas experientes realizam anualmente mais de 20 mil exames de ultrassonografia do coração. E para acelerar o processo de aprendizagem usa o poder da estação NVIDIA DGX. No futuro, a DESKi planeja expandir suas ferramentas para diagnosticar áreas como ginecologia, gastroenterologia e urologia.
.

By admin

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.