Cientistas criaram microchips voadores para ajudar a rastrear a qualidade do ar e a propagação de infecções

Cientistas da Northwestern University (Illinois, EUA) desenvolveram microchips alados do tamanho de grãos de areia. Talvez estes sejam os menores dispositivos voadores já criados. Espera-se que eles encontrem aplicações em muitas áreas, desde o monitoramento da propagação de doenças até a avaliação da poluição do ar. Ao mesmo tempo, a própria microeletrônica é feita de materiais biodegradáveis.

Engadget.com

A fonte de inspiração para o design de dispositivos voadores microscópicos foram as sementes de plantas comuns – como o bordo ou qualquer outra, que recebeu “lâminas” da natureza para se espalhar pelo ar.

De acordo com o chefe do projeto, o professor John A. Rogers, em alguns aspectos os pesquisadores até ultrapassaram a natureza – os dispositivos criados têm trajetórias de vôo mais estáveis ​​e velocidades de queda menores do que as sementes. Além disso, as estruturas artificiais são significativamente menores do que as sementes voadoras comuns encontradas na natureza.

Apesar de toda a sua compactação, os dispositivos são grandes o suficiente para abrigar os próprios componentes eletrônicos, sensores e até fontes de energia como baterias microscópicas. A equipe testou várias opções, incluindo aquelas capazes de transportar cargas como antenas e se comunicar com smartphones e entre si. Os sensores podem rastrear todos os tipos de características da atmosfera, desde a presença de ácidos no ar até a qualidade da água ou o nível de radiação solar.

De acordo com Rogers, idealmente, os cientistas esperam criar não apenas modelos que voem livremente com o vento, mas também variantes com seus próprios motores, capazes de se mover tão bem quanto moscas ou outros pequenos insetos. Enquanto isso, a equipe está experimentando diferentes opções de design e um teste atmosférico em grande escala ainda não foi realizado.

A universidade acredita que tais eletrônicos podem ser usados ​​para tarefas específicas com limite de tempo. Por exemplo, o monitoramento é feito por um mês e, depois, graças aos materiais biodegradáveis ​​utilizados, os aparelhos se dissolvem literalmente no meio ambiente.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *