China abrirá troca de ativos digitais com base em e-yuan

A China está considerando abrir uma bolsa de ativos digitais em Pequim, em linha com sua estratégia oficial de promover o yuan eletrônico (e-CNY) e combater as criptomoedas descentralizadas.

Fonte da imagem: F8_f16 / pixabay.com

De acordo com as orientações emitidas pelo Conselho de Estado, Pequim irá explorar a possibilidade de criar uma bolsa para a negociação de ativos digitais, o que irá acelerar a evolução dos serviços financeiros. O Gabinete de Ministros pediu a aceleração dos testes do yuan digital e ordenou que os bancos criassem divisões para trabalhar com a versão eletrônica da moeda nacional.

A China entrou na fase ativa de introdução do e-CNY: o processo começou em 2014, quando ficou claro que o país teria que se adaptar à digitalização da economia, além de repelir ameaças de criptomoedas como o bitcoin. Em 2017, Pequim proibiu as trocas de criptomoedas e, neste ano, reforçou o controle estatal para primeiro proibir a mineração de criptomoedas e, em seguida, todas as transações relacionadas – paralelamente, há uma campanha para promover o yuan digital.

Os primeiros projetos-teste começaram no ano passado e afetaram várias cidades, a aceitação inicial do novo meio de pagamento foi bastante lenta. No entanto, recentemente, um dos líderes do Banco do Povo da China disse que, a partir de outubro, o volume total de transações em moeda digital era de 62 bilhões de yuans (US $ 9,5 bilhões), e 140 milhões de residentes do país já começaram e- carteiras. Outro impulso para o desenvolvimento do projeto serão as Olimpíadas de Inverno, com inauguração prevista para fevereiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *