A crise dos semicondutores durante a pandemia só aumentou a preocupação das autoridades norte-americanas sobre o alto grau de dependência da maioria dos fabricantes nacionais do fornecimento de chips de Taiwan e, por isso, a presidente do parlamento norte-americano, Nancy Pelosi, reuniu-se com representantes do poder local. indústria de semicondutores durante sua visita à ilha. A gerência da TSMC foi rápida em garantir que não faz sentido ganhar a empresa pela força.

Fonte da imagem: TSMC

Como outros detalhes da visita do oficial americano à ilha, as circunstâncias desta reunião não são particularmente divulgadas, mas o Nikkei Asian Review, citando vários meios de comunicação, informa que Pelosi teve uma conversa com o presidente do conselho de administração da TSMC Mark Liu (Mark Liu), e a possibilidade de fornecer subsídios à empresa para a construção de um empreendimento no Arizona foi abordada durante a conversa. O fundador da TSMC, Morris Chang, que está em um merecido descanso há vários anos, também recebeu uma reunião com Nancy Pelosi, segundo fontes.

O presidente do Parlamento dos EUA emitiu uma declaração pública após a aprovação do CHIPS and Science Act pelo Congresso dos EUA na semana passada: “Isso abre oportunidades para que tenhamos um intercâmbio econômico melhor. O espírito empreendedor, a força e os recursos intelectuais de Taiwan e o sucesso da indústria de tecnologia local tornaram-se um exemplo a seguir. Queremos expandir nosso relacionamento.” A próxima etapa da turnê asiática de Nancy Pelosi deve ser uma visita à Coreia do Sul, que o presidente dos EUA, Joseph Biden, conseguiu visitar no último trimestre, autografando uma pastilha de silício com amostras dos primeiros chips de 3 nm fabricados pela Samsung Electronics.

O presidente da TSMC, Mark Liu, em entrevista à CNN no início desta semana, disse que os temores de que a China pretenda tomar Taiwan para obter o controle da maior fabricante de chips do mundo não são razoáveis. Segundo ele, ninguém poderá tomar o poder da TSMC, pois as complexas relações industriais e processos tecnológicos em caso de invasão serão irreversivelmente rompidos. Os negócios da TSMC dependem da transmissão em tempo real de informações da Europa, Japão e EUA, bem como do fornecimento de consumíveis e software de solução de problemas, de acordo com o presidente. Vários países participam da cadeia tecnológica e, se as operações militares a violarem, absolutamente todos perderão com isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.