28 de setembro de 2020

Avalanche Notícias

Você conectado com o mundo

Mesmo sem processos tecnológicos avançados, os fabricantes chineses terão sucesso no mercado nacional.

2 min read

Medidas restritivas entram em vigor nesta semana que negarão à Huawei o acesso a componentes feitos com tecnologias americanas. A questão da possível introdução de sanções contra a fabricante chinesa de chips SMIC não foi retirada da agenda. Os especialistas tentaram dizer como a indústria chinesa de semicondutores pode se desenvolver sob as sanções.

Fonte da imagem: Getty Images

Especialistas da Gavekal Dragonomics explicaram em comentários à CNBC que sem acesso a tecnologias litográficas avançadas, a RPC pode ficar atrás dos Estados Unidos e outros países ocidentais em desenvolvimento. Mesmo na ausência de restrições ao acesso a tecnologias e equipamentos avançados, a China não poderia abordar componentes estrangeiros em desenvolvimento e, após a introdução de sanções, isso se tornará ainda mais difícil, explicam analistas.

O mais desagradável em termos de sanções para os incorporadores chineses é a necessidade de esperar até que o nível de desenvolvimento de toda a indústria nacional seja elevado às suas necessidades para continuar o desenvolvimento de suas posições atuais. Isso significa que os líderes do “edifício do processador” chinês serão lançados de volta ao desenvolvimento por vários anos, já que terão de esperar pelos compatriotas atrasados. No entanto, o apoio do governo não promete as piores perspectivas. Pelos planos das autoridades chinesas, até meados da década, o país deverá ter dominado o processo técnico das 7 nm.

Representantes do Renascimento da China também encontraram lados positivos na situação em desenvolvimento. A China tem um mercado interno tão impressionante que pode desenvolver com calma a indústria de semicondutores para atender à demanda interna, mesmo sem acesso a tecnologias litográficas avançadas. A Internet das Coisas, nesse sentido, abre boas perspectivas para desenvolvedores e fabricantes locais – o mesmo semáforo, por exemplo, não requer o uso de processadores idênticos a um smartphone, portanto, chips especializados podem ser produzidos usando processos técnicos mais maduros, que não são difíceis de dominar na China. Para os fabricantes chineses, isso abrirá até caminho para o mercado internacional, se os componentes do perfil forem produzidos a um custo adequado e nas quantidades certas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *