Na semana passada, as autoridades norte-americanas proibiram finalmente a Qualcomm de fornecer componentes à Huawei Technologies, embora a empresa americana gozasse do direito de lhe fornecer soluções para redes 4G até recentemente através de uma licença de exportação obtida sob Donald Trump. Embora a Qualcomm pare de fornecer componentes para a Huawei este ano, ela continuará a receber receitas provenientes de taxas de licenciamento.

Fonte da imagem: Huawei Technologies

Em 7 de maio deste ano, como observa Tom’s Hardware, citando documentos oficiais da Qualcomm, a empresa perdeu sua licença de exportação, que lhe dava o direito de fornecer à Huawei Device Co. não só com componentes que suportam redes 4G, mas também com soluções para redes Wi-Fi. Mesmo em 1º de maio, antes de revogar sua licença de exportação, a Qualcomm disse que não esperava receber receitas da Huawei provenientes de quaisquer remessas de componentes além do ano civil de 2024. Na verdade, o fornecimento de chips especializados teria parado de qualquer maneira, e isso já fazia parte dos planos da Qualcomm.

Ao mesmo tempo, a Qualcomm manterá a oportunidade de receber taxas de licenciamento da Huawei pela utilização das suas tecnologias patenteadas em produtos que a empresa chinesa produz para as suas necessidades. A Qualcomm também está a desenvolver relações semelhantes com outros fabricantes de eletrónica chineses, e os acordos de licenciamento correspondentes serão renovados em 2025 ou concluídos pela primeira vez, dependendo da situação específica.

De acordo com relatos da mídia chinesa, a CFO da Huawei, Meng Wanzhou, também confirmou esta semana suas intenções de abandonar as compras de processadores e outros componentes da Qualcomm, substituindo-os não apenas por seus próprios produtos, mas também por produtos de outros fornecedores. Pelo menos, a empresa chinesa não consegue receber componentes habilitados para 5G da Qualcomm há muito tempo e, portanto, conseguiu encontrar um substituto para eles, inclusive criando com sucesso seus próprios componentes com as características desejadas. Os negócios da Huawei acabarão por sofrer quase nenhum dano com a revogação da licença da Qualcomm, como esclareceu um representante da gigante chinesa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *