Cientistas chineses propuseram explorar Marte usando drones hipersônicos

A atmosfera extremamente rarefeita de Marte torna difícil para aviões e helicópteros comuns sobrevoarem o Planeta Vermelho. As asas e as lâminas não têm nada com que se apoiar, mesmo perto da superfície, muito menos voar em grandes altitudes. Mas isso abre outra possibilidade – o vôo hipersônico, que tornará possível a criação de aeronaves compactas para voos através de Marte.

Ingenuidade do helicóptero marciano. Fonte da imagem: NASA

Cientistas chineses, de acordo com fontes locais, estão explorando ativamente a possibilidade de voos de drones hipersônicos em Marte. Esta tarefa se insere no leque de soluções para os problemas dos voos hipersônicos na Terra e no espaço. Em 2035, a China promete criar uma aeronave hipersônica para voar para qualquer ponto da Terra em uma hora e, em mais dez anos, haverá uma frota inteira dessas aeronaves (espaçonaves) com a capacidade de voar até a órbita próxima à Terra.

O helicóptero Ingenuity da NASA pode voar várias centenas de metros ao mesmo tempo. Suas lâminas giram a uma velocidade tremenda – quase 3000 rpm. Para um objeto voador maior, pode ser difícil e até impossível criar um sistema de palhetas com uma velocidade de rotação semelhante. Mas a aeronave hipersônica já visa o movimento no ar e a atmosfera de Marte, a esse respeito, é o seu elemento.

Por exemplo, de acordo com os cálculos de cientistas chineses, um drone hipersônico de 500 kg, metade do peso do qual será combustível, será capaz de se mover na atmosfera de Marte a uma velocidade de cinco vezes a velocidade do som à distância de até 1000 km. A altitude de vôo deve ser de cerca de 5000 m, já que as montanhas de Marte são mais altas do que as da Terra.

Uma questão interessante é o combustível. A atmosfera quase inteiramente de dióxido de carbono de Marte (96%) não permitirá que ocorram os processos oxidativos usuais no combustível liquefeito. Não haverá combustão, como na atmosfera da Terra. Mas no dióxido de carbono, alguns metais queimam bem, por exemplo o magnésio. O magnésio como combustível para motores em Marte foi proposto por especialistas japoneses. Isso foi feito na década de 80 do século passado e, em 2016, os engenheiros da NASA desenvolveram um motor de foguete de magnésio para pouso suave na superfície do planeta.

Para a eficiência de um motor de magnésio, os especialistas chineses sugerem o uso de duas câmaras de combustão sequenciais, o que resolverá o problema de baixo empuxo desses motores. No início da exploração de Marte, será possível importar magnésio da Terra e, então, aproveitar os desenvolvimentos locais. Hoje todos esses planos parecem fantásticos, mas em 30 anos eles podem se tornar realidade. Tecnicamente, isso é viável, você só precisa de dinheiro e vontade de encerrar o assunto. Os chineses têm tudo isso em abundância, e o pouso bem-sucedido do primeiro rover chinês na primeira tentativa apenas confirma o aumento dramático da qualidade da exploração espacial no Império Celestial.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *