Boston Dynamics mostrou como robôs bípedes Atlas fazem parkour

Boston Dynamics lançou um novo vídeo demonstrando as habilidades de seu robô humanóide bípede Atlas. Em outro vídeo novo, os engenheiros entraram em mais detalhes sobre como eles alcançaram o que foi mostrado na demonstração do Atlas.

Dinâmica de Boston.

No primeiro vídeo, dois robôs do Boston Dynamics Atlas realizam um programa de ginástica impressionante, durante o qual escalam uma pista de obstáculos, saltam e realizam flips em sincronia. Em geral, eles praticam parkour. No segundo vídeo, os engenheiros, entre outras coisas, falam sobre as dificuldades que enfrentaram, mostram a queda de robôs e assim por diante.

O exercício levou meses para ser desenvolvido, disse a empresa, e serviu como um teste útil da capacidade dos robôs de equilibrar, mudar o comportamento e coordenar ações. Como em outros testes recentes, os robôs Atlas usam recursos visuais para se adaptar ao programa geral.

Ao contrário do modelo Spot, o Atlas não é um robô de produção em sua forma atual. De acordo com Boston Dynamics, Atlas é um projeto de pesquisa que usa uma tecnologia de máquina avançada que ajuda os engenheiros da empresa a desenvolver sistemas de controle e detecção mais eficientes. “Em um nível prático, é a plataforma para nossa pesquisa e desenvolvimento”, disse Benjamin Stephens, Chefe de Administração da Atlas, no vídeo. Esses estudos incluem exercícios de ginástica e parkour.

No entanto, alguns robóticos criticaram a Boston Dynamics por enganar as pessoas sobre as capacidades de suas máquinas. Embora os vídeos da empresa sejam impressionantes, eles são demonstrações claramente estruturadas – procedimentos organizados que exigem muito esforço e ajustes para serem concluídos.

Como Stevens explicou no vídeo, você não pode simplesmente dizer a Atlas para fazer algo assim: “Este não é um robô que decidiu fazer parkour magicamente, é um tipo de procedimento coreográfico, muito semelhante a um vídeo sobre exercícios sobre um skate ou sobre parkour “.

Em particular, quando os robôs saltam, a taxa de queda é de cerca de 50%, e também existe a possibilidade de falha em cada estágio. De acordo com a Boston Dynamics, mesmo o movimento vigoroso dos punhos no final do vídeo não foi bem. A empresa ainda precisa melhorar os movimentos que são limitados pela própria natureza dos robôs, como a ausência de coluna vertebral e articulações dos braços relativamente fracas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *