sáb. ago 15th, 2020

Avalanche Notícias

Você conectado com o mundo

Análise do Portátil MSI Modern 15 (A10RB): felicidade não essencial

18 min read

A maioria dos laptops que passam pelo laboratório da 3DNews são modelos de jogos poderosos ou ultrabooks finos, mas quase todos reivindicam grandes conquistas – em desempenho, peso mínimo, duração da bateria ou todos ao mesmo tempo. No entanto, é mais provável que um comprador prático se interesse por um computador cujas características sejam ditadas pelo preço, e não pelo desejo de registros. Esse é o herói da revisão de hoje, um laptop com uma tela MSI Modern 15. de 15,6 polegadas. Dimensões, preenchimento e design – tudo isso faz uma novidade relacionada aos modelos de negócios que se encaixam melhor no interior do escritório do que nas cafeterias ou na cabine do avião. Mas modéstia, neste caso, não é sinônimo de mediocridade. O MSI Modern 15 encontrou algo para nos surpreender, mesmo no contexto de análogos caros.

⇡#Especificações, preços

A MSI tomou como base os processadores Intel da 10a geração da série U, que são mais frequentemente encontrados em modelos ultrafinos com tamanhos de tela de 13,3 a 14 polegadas, em vez dos chips mais produtivos marcados como H. Além disso, existem dois tipos de CPUs que aparecem nas especificações do Modern 15 (Core i5-10210U e Core i7-10510U) são processadores quad-core, enquanto seis e até oito núcleos não são mais uma raridade no formato de 15,6 polegadas.

Mas não se apresse em fechar o artigo depois de ler até este ponto. Como teremos tempo de verificar sozinhos, o chassi espaçoso tornou possível o overclock da CPU econômica de quatro núcleos, tanto que é possível fazer sem dois núcleos “extras” na maioria das tarefas. Essa, em nossa opinião, é a principal vantagem do Modern 15 (que, infelizmente, não reflete a tabela de especificações compactadas) no contexto de seu preço e características dos concorrentes mais próximos: a configuração básica da máquina com o Core i5-10210U durante o período em análise pode ser comprada pelo valor menos de 70 mil rublos e as opções baseadas no Core i7-10510U começam em cerca de 90 mil. Afinal, todas as ofertas semelhantes em custo e tamanho também são inteiramente em quatro núcleos – nos chips Comet Lake da Intel (como Modern 15), ou mesmo em Lago de gelo de silicone de baixo watt.

A próxima vantagem do Modern 15 é uma GPU discreta – GeForce MX250 ou MX330 com 2 GB de memória dedicada. Em termos de velocidade, eles são praticamente indistinguíveis um do outro, mas cada modelo é dividido em duas variedades, dependendo da reserva de energia disponível. O laptop MSI que vamos testar (modificação A10RB) recebeu uma versão mais antiga do MX250 com um TDP de 25 watts. É claro que o adaptador gráfico baseado no chip GP108 do orçamento não é uma solução da classe dos jogadores, mas entre 70 e 80 mil rublos existem muitos dispositivos sem gráficos discretos, e em tarefas como processamento de fotos ou codificação de vídeo, a GeForce MX250 é obviamente mais forte que o núcleo de vídeo integrado .

As especificações restantes são bastante típicas para um laptop moderno: RAM DDR4 de canal duplo de 8 a 64 GB e NVMe padrão SSD. A única coisa em que você pode se concentrar é na capacidade da bateria. Enquanto outros laptops de 15 polegadas podem ter baterias de 99,9 Wh (você não pode mais – não será permitido transportar em um avião), o Modern 15 está equipado com baterias de 52 Wh. No entanto, em conjunto com o processador da série U, ele fornece boa autonomia nos modos de uso comercial.

⇡#Aparência e ergonomia

O design do Modern 15 evoca associações com o modelo MSI de 14 polegadas da série Prestige, cuja revisão foi publicada em abril, e se você colocar o Prestige 15 maior ao lado, poderá distinguir um dispositivo de outro apenas pelo tamanho do touchpad e pela configuração dos conectores externos. Obviamente, isso é um elogio ao laptop relativamente barato, que é o Modern 15.

O chassi da novidade é montado em painéis de alumínio e pode ser cinza claro ou preto – como o laptop que nos foi enviado para testes. Entre os parentes não tão compactos na diagonal da tela de 15,6 polegadas, o Modern 15 se destaca com quadros finos ao redor da matriz e, consequentemente, dimensões modestas em largura e profundidade, que, aparentemente, simplesmente não podem ser reduzidas sem sacrificar uma webcam ou abaixar a borda inferior da tela ao nível do teclado. Além disso, o laptop é bastante fino (apenas 15,9 mm) e, graças às bordas chanfradas da metade inferior do gabinete, ele parece ainda mais leve e fino do que realmente é. Mas é realmente leve: a maioria dos dispositivos semelhantes com gráficos discretos pesa mais de 1,6 kg.

Infelizmente, paredes finas não se beneficiaram da rigidez do gabinete. Não apenas a MSI, mas também outros fabricantes já nos forçaram a aceitar que não é difícil empurrar a tampa do laptop no meio ou dobrá-la com um “parafuso”, mas o Modern 15 tem outro ponto fraco – o painel ao redor do teclado e do touchpad também não resiste à pressão muito bem, e isso fácil de sentir durante a impressão. No entanto, devemos prestar homenagem aos projetistas da máquina: graças às nove pernas que sustentam o gabinete, o teclado não é tão nervoso quanto os laptops com um rack “arqueado” na moda. Nos ultrabooks com tela de 13,3 ou 14 polegadas, agora é habitual elevar a parte inferior do chassi acima da superfície de trabalho, apoiando-se na saliência da unidade de tela para facilitar a operação do sistema de refrigeração, mas o Modern 15 não precisa disso: dois ventiladores possuem grades suficientes, que ocupam boa parte da área painel inferior. Além disso, o design clássico nesse caso não interfere na inclinação da tela a pelo menos 180 ° da base.

Quanto aos controles em si, o Modern 15 e o já familiar modelo Prestige 14 têm o mesmo teclado em todos os sinais externos. Como resultado, a nova unidade não recebeu um bloco digital, mas se é bom para modelos com uma tela de menos de 17 polegadas é um ponto discutível, mas qualquer pessoa apreciará as teclas grandes. No entanto, o MSI deveria ter sacrificado a unificação para usar com mais eficiência o espaço livre sob a tela: as teclas Delete, Insert, PgUp e PgDn destacadas na linha direita ainda pressionam a tecla “~” (e, correspondentemente, “ё”) na outra extremidade . E, infelizmente, em capas de botões grandes e em um layout geralmente bem-sucedido, as virtudes do teclado Modern 15 acabam. O mecanismo principal fornece um curso profundo de 1,5 mm, mas a resposta tátil, que é especialmente importante para uma digitação rápida às cegas, nos cones sob eles é muito embaçada.

O touchpad Modern 15 também deixa muito a desejar, e o ponto não está na área, que é muito menor aqui do que nos modelos Prestige, mas novamente na mecânica. O manipulador está bem ajustado para rastrear o cursor e reconhecer gestos, mas, primeiro, clica alto e, em segundo lugar, o painel treme e bate sobre algo com um golpe leve com um ou dois dedos.

Todas as comunicações de laptop com fio estão espalhadas pelas faces laterais do gabinete. A bordo do Modern 15, existem três portas USB Tipo A e uma única Tipo C, combinadas com a saída de vídeo DisplayPort. Felizmente, todos os conectores USB aqui operam em velocidades de 3,1 Gen 1 ou Gen 2 sem surpresas desagradáveis ​​como as portas USB 2.0 Prestige 14. Mas, como seria de esperar, o modelo mais acessível teve que se separar do Thunderbolt 3, mas existe um HDMI de tamanho completo e um slot para leitor de cartão microSD com mola.

Como o Modern 15 não possui conectores Thunderbolt, não há possibilidade de carregar por essa interface, e a fonte de alimentação compacta com uma potência de 90 W é conectada a um plugue padrão. A propósito, a fonte de alimentação é o único acessório que encontramos na caixa com o dispositivo, mas em nossos dias e laptops mais caros não mimam o comprador com um conjunto de entrega generoso.

Acima da tela, há uma webcam com características típicas adequadas para comunicações de vídeo: resolução de 720p e taxa de quadros de 30 FPS. O sistema de alto-falantes embutido também fica melhor para comunicação de voz. Embora os criadores dos de 15 polegadas às vezes encontrem um lugar para drivers grandes e câmeras de reverb, esse não é o caso do Modern 15. Os alto-falantes são altos o suficiente para encher uma sala de tamanho médio com som, mas, como esperado, eles são deficientes em baixas frequências.

⇡#Opções internas de design e atualização

Ao contrário de muitas máquinas ultracompactas com uma diagonal de tela de 13,3 ou 14 polegadas, o design do MSI Modern 15 permite atualizar facilmente os componentes. A RAM é digitada pelos SO-DIMMs e os conectores M.2 para SSDs são dois ao mesmo tempo.

Outra coisa que chamou minha atenção depois que desmontamos a tampa inferior do Modern 15 foi um sistema de refrigeração aparentemente sério. O cooler consiste em dois circuitos parcialmente conectados e parcialmente independentes para remoção de calor dos processadores central e gráfico. Um tubo de calor comum é soldado aos dissipadores de calor da CPU e da GPU, mas cada um deles tem seus próprios radiadores com tubos separados: a CPU tem um menor, a GPU tem um maior. Também é digno de nota que, além de remover o calor dos chips principais e com maior consumo de energia, a MSI cuidou de resfriar suas cintas de energia, bem como a RAM do adaptador de vídeo.

Mas o fato de o Modern 15 ter uma bateria tão modesta, com uma capacidade de 52 Wh, como mostrou a autópsia, não é culpado de limitações de design, mas o desejo de reduzir custos: o espaço no qual células adicionais da bateria poderiam ser colocadas simplesmente não é ocupado por nada.

Metodologia de Teste. Qualidade de tela. Frequências de relógio, consumo de energia, temperatura, nível de ruído. Testes de Desempenho Sintético

⇡#Metodologia de teste

O teste de exibição é realizado usando o colorímetro Datacolor Spyder4 Elite nos aplicativos ArgyllCMS e DisplayCAL 3.

A duração da bateria do notebook é medida com um brilho de 200 cd / m2 nos seguintes cenários de uso:

  • Navegação na Web: abrir e fechar as guias dos sites 3DNews.ru, Computeruniverse.ru e Unsplash.com, um por um, com um intervalo de 25 s no navegador Google Chrome (cache e cookies desativados);
  • Reprodução contínua de vídeo 4K no formato HEVC (H.265).

⇡#Participantes do teste

Os seguintes dispositivos participaram do teste de desempenho:

⇡#Qualidade da tela

A matriz de tela do MSI Modern 15 carece de estrelas do céu em comparação com os melhores exemplos de painéis IPS para laptop, mas se você tiver em mente o preço do dispositivo, os resultados do teste não trouxeram ressentimentos. De modo geral, nossas reivindicações ao monitor Modern 15 estão associadas apenas a um nível de brilho medíocre (apenas 262 cd / m2) e profundidade de preto e, consequentemente, longe da taxa de contraste de referência (1: 689). Felizmente, a tela é coberta com um filme fosco anti-reflexo, o que ajuda muito a trabalhar com a luz.

Felizmente, brilho e contraste são os únicos parâmetros da matriz que o usuário não pode corrigir por conta própria usando um colorímetro. Se o proprietário da novidade usar um laptop para editar fotos, primeiro será necessário compensar a alta temperatura da cor com o perfil ICC e, consequentemente, retornar o ponto branco ao seu lugar.

O restante da imagem na tela do Modern 15 não exigirá refinamentos significativos, e isso sempre é uma boa notícia para os usuários do Windows – um sistema operacional desprovido de correção global de cores. A gama de tons da matriz cobre quase completamente o espaço sRGB, e as curvas gama bem coordenadas são expressas em uma avaliação satisfatória da precisão das cores (desvio médio de 1,39 de acordo com o padrão Delta E 2000). A curva cinza original é arrastada em relação à função de potência de referência 2.2 na direção de 2.3, mas para assistir vídeos e fotos em condições de pouca luz, isso é mais uma vantagem do que uma desvantagem. Especialmente apesar do fato de que a diferença de luminosidade entre o campo preto e branco está longe de ser um recorde entre os painéis IPS.

 

Como seria de esperar de qualquer laptop moderno, a tela Modern 15 está livre de defeitos grosseiros de imagem, como reflexos abundantes nas bordas ou tremulações visíveis a olho nu com baixos valores de brilho.

⇡#Frequências do relógio, temperatura e nível de ruído

O modelo irmão da MSI, o Prestige 14, que recentemente também passou no teste 3DNews, foi elogiado por seu excelente sistema de refrigeração, que remove facilmente o calor da CPU de seis núcleos e os gráficos discretos da GeForce GTX 1650 Max-Q. Em vários modos de consumo de energia, que o programa Creator Center permite mudar, o Modern 15 se comporta de maneira semelhante, mas devido ao fato de que no chassi de 15 polegadas havia espaço suficiente para dois ventiladores ao mesmo tempo – um para a CPU e outro para a GPU – o cooler funciona ainda melhor. Além disso, o Modern 15 possui um núcleo gráfico menos exigente: o TDP padrão da GeForce MX250 é de 25 W em comparação com 35 da GTX 1650 Max-Q. Como resultado, mesmo que o processador central seja quad-core, ele pode desenvolver um consumo de energia e velocidades de clock que não eram sonhados por ultrabooks compactos como o Prestige 14.

Portanto, no modo de alto desempenho, o consumo de energia do chip estabilizou em 35 watts e a frequência ficou em torno de 3,5 GHz. Dois perfis econômicos – Balanceado e Silencioso, neste caso, fornecem à CPU as mesmas frequências operacionais (cerca de 2,4 GHz) e uma reserva de energia de 15 a 17 W, e todas as diferenças entre elas, curiosamente, se resumem ao brilho da matriz da tela.

Quanto ao adaptador de vídeo discreto, a GeForce MX250, diferentemente das soluções NVIDIA mais sérias, não permite regular nem mesmo medir seu consumo de energia por software. Independentemente do modo de consumo de energia e do tipo de carga (apenas na GPU ou ao mesmo tempo no processador central e gráfico), o chip funciona ao mesmo tempo e ao mesmo tempo bastante altas frequências na faixa de 1683 a 1696 MHz.

Nota A medição é realizada após o aquecimento do dispositivo e todos os parâmetros são estabilizados.

Além das impressionantes velocidades de clock, o MSI Modern 15 também oferece temperaturas de referência. A única maneira de aquecer a CPU a 96 ° C é carregar totalmente os dois chips (CPU e GPU) com uma tarefa como rastreamento de raios no modo de alto desempenho. Em qualquer outra situação, a temperatura dos componentes principais não excede 75 ° C e o próprio modo de alto desempenho, com uma carga isolada na CPU, fornece um resfriamento ainda melhor que o balanceado ou silencioso.

Nos modos Silencioso e Balanceado, o laptop é extremamente silencioso, mas apenas sob carga isolada da CPU. Bem, esse consumo de energia do processador central, como no modo de alto desempenho, aumenta bastante previsivelmente o ruído do sistema de refrigeração em até 43 dBA sem envolver gráficos discretos. O gráfico é coroado por um resultado sério de 49 dBA, obtido carregando simultaneamente os dois chips principais. Felizmente, esses cenários de uso ainda são uma raridade para a classe de máquinas à qual o novo MSI pertence. Mas ele tem um recurso estranho: mesmo fora dos aplicativos exigentes, quando o computador está ocioso, há um fundo de ruído fraco, mas perceptível, quase o mesmo que no modo Silencioso / Balanceado sob carga na CPU. A única maneira de deixar o computador completamente silencioso é alternar para o modo Super Bateria, no qual ele esfria passivamente, desde que não haja carga na GPU discreta.

⇡#Testes de Desempenho Sintético

Para passar nos testes de desempenho, lançamos o MSI Modern 15 no modo de alto desempenho e não ficamos desapontados com os resultados. De acordo com os benchmarks sintéticos, mesmo que as altas frequências de clock não superem a diferença no número de núcleos entre os vários modelos de CPU Intel, eles são capazes de compensá-lo em grande parte. De fato, a distância entre o Core i7-10510U de quatro núcleos no MSI Modern 15 e o Core i7-10710U de seis núcleos no Prestige 14 está muito longe do desempenho teórico de 50%. Uma verdadeira inovação no desempenho pode ser fornecida apenas por oito núcleos disponíveis para os processadores móveis Core i9 da nona geração com o índice H, mas, neste caso, estamos falando de um nível incomparavelmente mais alto de consumo de energia e, não menos importante, dispositivos de uma categoria de preço diferente.

O núcleo de vídeo discreto GeForce MX250 no chip GP108 não é páreo para as soluções NVIDIA mais modernas da família GTX 16 (e especialmente a GeForce RTX) ou para a velocidade móvel da série Radeon 5000. No entanto, o MX250 não foi projetado para jogos avançados, mas para entretenimento pouco exigente será suficiente e, o mais importante, no contexto de qualquer tipo de gráfico integrado da Intel, mesmo uma GPU discreta de baixa potência pode acelerar as operações em aplicativos de trabalho – como programas de processamento de fotos. Vamos lidar com eles agora.

⇡#Desempenho em aplicações de produção

A renderização no Blender usando o mecanismo Cycles, que usamos como referência universal para CPUs e GPUs, terminou quase igualmente rapidamente no Core i7-10710U de seis núcleos e no Core i7-10510U de quatro núcleos, equipado com o MSI Modern 15. A questão é, obviamente, o aumento frequências do relógio. Pelo mesmo motivo, o Modern 15 é 1,5 vezes mais rápido que um dispositivo com uma configuração de hardware quase idêntica (ASUS VivoBook S14), sem mencionar os laptops ultrafinos de 13 e 14 polegadas.

Os resultados dos testes do Blender realizados com a GPU (nos processadores Cycles e Radeon ProRender) também foram afetados pelo poderoso sistema de refrigeração Modern 15, embora não tanto. Além disso, não se pode falar da GeForce MX250 competindo com adaptadores gráficos de médio alcance que são instalados em laptops caros de 15,6 polegadas.

O MSI Modern 15 não afirma ser o louvor de uma estação de trabalho móvel, mas se você excluir tarefas excessivamente complexas (como o mesmo raytracing no Blender), esse modelo provou ser excelente em aplicativos profissionais menos exigentes. Portanto, o Adobe Lightroom usa a GPU apenas para tarefas selecionadas e, aparentemente, não é amigo da execução multithread em processadores de seis e oito núcleos. Como resultado, o Modern 15 deste teste é, em geral, não inferior à versão mais recente do MacBook Pro de 16 polegadas e ignora os pontos do sistema com gráficos discretos mais poderosos.

Nota Os pontos são calculados como uma porcentagem da velocidade da estação de referência com Intel Core i9-9900K, NVIDIA GeForce RTX 2080 e 64 GB de RAM.

Uma imagem semelhante foi desenvolvida no benchmark Photoshop. A CPU de oito núcleos é útil para operações como filtragem e a poderosa GPU discreta, respectivamente, para as funções do editor de fotos que usam o núcleo gráfico mais ativamente. Mas se você escolher entre quatro núcleos que operam em alta frequência e seis mais lentos, o Photoshop prefere o MSI Modern 15.

Nota Os pontos são calculados como uma porcentagem da velocidade da estação de referência com Intel Core i9-9900K, NVIDIA GeForce RTX 2080 e 64 GB de RAM multiplicado por 10.

Nota Os pontos são calculados como uma porcentagem da velocidade da estação de referência com Intel Core i9-9900K, NVIDIA GeForce RTX 2080 e 64 GB de RAM.

A edição de vídeo em 4K no Adobe Premiere Pro é um prazer duvidoso em laptops sem gráficos discretos poderosos. Mas o MSI Modern 15 também se tornou bastante convincente aqui. Ao editar e exportar vídeos com efeitos de GPU, o resfriamento de alta qualidade e a alta velocidade do relógio não compensam a falta de desempenho do chip GeForce MX250. Mas em outros casos, quando a carga cai principalmente no processador central, o Modern 15 pode atingir uma taxa de quadros aceitável, desde que o usuário reduza a resolução da janela de visualização para ¼ a partir do original (isso corresponde à tela 1080p). Uma CPU quad-core não é um problema, aqui ele novamente enfrentou a tarefa não pior do que os chips de seis núcleos, mais limitados pela reserva de energia.

 

 

⇡#Desempenho SSD

Dentro do MSI Modern 15, em algum momento encontramos uma unidade de estado sólido que não pertence à série Samsung PM981, que é extremamente popular entre os clientes OEM. Este é um SSD chamado PC SN730, produzido pela Western Digital, que de acordo com os dados do passaporte é muito semelhante ao WD Black SN750. Como os testes demonstraram, o SN730 se comporta de vários modos de carga de maneira semelhante, incluindo as medíocres velocidades lineares de leitura e gravação. Além disso, as unidades modernas de 512 GB simplesmente não conseguem atingir a mesma taxa de transferência que os dispositivos com mais capacidade. No entanto, nas condições de uma curta fila de comandos e nas solicitações predominantes de leitura de dados típicas da maioria dos aplicativos de desktop, o proprietário do Modern 15 quase não tem motivos para reclamar sobre o desempenho do SSD e a capacidade de resposta geral do sistema.

 

 

⇡#Duração da bateria

Apesar do fato de que a capacidade da bateria do MSI Modern 15 está longe de ser um recorde para laptops com uma diagonal de tela de 15,6 polegadas (apenas 52 Wh), o computador pode gerenciá-lo efetivamente. Como já descobrimos anteriormente, o modo de operação Super Battery reduz as frequências de operação da CPU sob uma carga abaixo de 1 GHz, mas quando o tempo de operação fora da tomada é mais importante que a velocidade, o usuário pode esperar pelo menos 6,5 horas (é claro, com brilho de matriz reduzido) para assistir ao vídeo ou navegação na web.

⇡#achados

O MSI Modern 15 tem muito em comum com outro modelo MSI, o Prestige 14, que recentemente também visitou o laboratório 3DNews. Mesmo que esses dois laptops sejam direcionados a grupos de consumidores completamente diferentes. O MSI Prestige 14 (assim como o modelo irmão maior, Prestige 15) finge louros de estações de trabalho compactas e tem uma configuração adequada de ferro: CPUs de seis núcleos em combinação com gráficos discretos relativamente poderosos GeForce GTX 1650 Max-Q. O MSI Modern 15, por outro lado, é uma máquina barata para trabalhos de escritório e tarefas de produtividade pouco exigentes. No entanto, depois de concluirmos o teste dos dois modelos, a conclusão sugere que seus projetistas tiveram as mesmas prioridades. Como resultado, a lista de vantagens e desvantagens do ambicioso Prestige 14 e do prático Modern 15, se os compararmos com modelos semelhantes de uma e outra categoria de preço, é geral.

A principal vantagem do Modern 15 é o excelente nível de velocidade que a MSI conseguiu extrair de uma CPU econômica de quatro núcleos graças a um poderoso sistema de refrigeração: em vários benchmarks, até superou os modelos Intel U-series de seis núcleos. Quanto à GPU, deixe a GeForce MX250 ser uma solução fraca e não a mais nova, pois não fortalece mal o processador central em tarefas como processamento de fotos e codificação de vídeo. Além disso, no nicho de preços do Modern 15, a presença de gráficos discretos, como tal, não é de todo garantida. Adicione a isso os amplos recursos de atualização (RAM e SSD – tudo isso muda sem dificuldade) – e você receberá uma oferta tentadora para aqueles que valorizam o alto desempenho da CPU com pequeno peso e dimensões dos laptops.

É uma pena que os resultados de nossos testes, estritamente falando, se refiram apenas à versão mais antiga do Modern 15 com o processador Core i7-10510U, que pelo menor preço de varejo se aproxima das configurações mais jovens do MSI Prestige 15 equipadas com os gráficos GeForce GTX 1650 Max-Q, mas mais CPUs fracas da marca Core i5-10210U. Nesse momento, o comprador se depara com uma opção: um processador central de alta velocidade ou um adaptador de vídeo para jogos.

Finalmente, o Modern 15 não é tão bom em tudo quanto no desempenho do ferro. O laptop MSI nos causou as mesmas reclamações sobre a mecânica que apresentamos anteriormente com o Prestige 14. Sem dúvida, este é um dos modelos mais leves com uma tela de 15 polegadas e uma GPU discreta, mas, como resultado, a rigidez do gabinete (principalmente sob o teclado) deixa muito a desejar ao melhor. E é improvável que o próprio teclado seja adequado aos mestres da digitação rápida às cegas. Por fim, a tela pode ficar mais clara e a bateria maior, mas isso, seja o que for que se diga, é o custo da precificação do modelo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *