A China dá à Apple cada vez mais motivos para se preocupar: os parceiros de fabricação da empresa são obrigados a reduzir a capacidade devido às medidas de quarentena, e o consumidor local está cada vez menos interessado em seus produtos, preferindo o segmento orçamentário. E livrar-se rapidamente da dependência chinesa não funcionará.

Até recentemente, o crescimento de vendas a longo prazo na China era considerado uma das conquistas mais importantes do CEO da Apple, Tim Cook. O plano de criação de uma gigantesca base industrial no país foi igualmente percebido positivamente – o que ajudou a reduzir significativamente os custos. Agora, a centralização da produção parece ser um empreendimento cada vez mais arriscado: em maio, os trabalhadores da fábrica de um dos fornecedores da empresa em Xangai fizeram verdadeiros tumultos – as autoridades os mantiveram na fábrica por muito tempo na tentativa de conter outro surto de a pandemia.

Tendências negativas também são observadas na própria Apple: durante o último relatório financeiro, a empresa alertou que devido à escassez de chips e interrupções na produção causadas por restrições de quarentena, a receita do trimestre atual pode diminuir em US$ 8 bilhões em relação ao valor planejado. Recentemente, os consumidores americanos também sentiram isso: ao encomendar versões de 14 e 16 polegadas do MacBook Pro, eles agora precisam esperar até 2 meses, e a nova geração do MacBook Air, lançada na última segunda-feira, não estará à venda até Julho.

A Apple já começou a tomar medidas para reduzir sua dependência da China, com o CEO Tim Cook chamando a cadeia de suprimentos da Apple de “verdadeiramente global” em uma recente conversa com investidores. Isso é verdade: vários iPhones já estão sendo produzidos na Índia e no Brasil, e parte da produção de iPads e MacBooks foi transferida para o Vietnã. No entanto, a escala dessas empresas é insignificante em comparação com as gigantescas capacidades da China.

Fonte da imagem: F8_f16 / pixabay.com

A tarefa de adequação das cadeias de suprimentos não será resolvida às pressas: a mesma Foxconn levou mais de 30 anos para atingir sua atual escala de atividade – isso também foi facilitado pela expansão gradual das atividades de seus parceiros. Hoje, nenhum país do mundo será capaz de encontrar os recursos para recriar da noite para o dia uma capacidade de produção comparável em termos de desempenho às empresas da Foxconn que podem atrair até várias centenas de milhares de trabalhadores.

Ao mesmo tempo, a própria China agora precisa fazer sérios esforços para manter a economia do país no nível adequado: uma queda na demanda do consumidor aqui já ameaça cair todo o mercado global de smartphones até o final deste ano. A Apple está se saindo um pouco melhor que seus concorrentes, mas a líder de mercado só espera manter a produção do iPhone no nível do ano passado – não se fala em crescimento.

A questão da diversificação da produção está agora sendo levantada por outras marcas globais que buscam reduzir sua dependência da China, por isso é possível que o país, mais cedo ou mais tarde, perca o título de maior contratante do mundo e do mercado mais volumoso, promissor e crescente . No entanto, mudar as prioridades será um processo doloroso para todos os jogadores.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.