A quarentena estrita na China após um novo surto de COVID-19 nesta primavera no país desacelerou a produção de semicondutores por um tempo. Para compensar o tempo perdido, a ASML decidiu aumentar sua força de trabalho na China em 14%. O fabricante holandês de scanners litográficos poderá viajar para fábricas locais para consultas completas, o que acelerará o lançamento de equipamentos industriais e aumentará a produção global de chips.

Fonte da imagem: ASML

A filial da ASML na China tem cerca de 1.400 funcionários. Em um futuro próximo, a empresa contratará mais 200 pessoas. Além de engenheiros, também serão recrutados especialistas para dar suporte jurídico ao trabalho da ASML na China sob sanções e em caso de vazamento de tecnologia. Em particular, entre as vagas divulgadas pela empresa está o cargo de Head of Export Control and Sanctions Enforcement na China, cujas responsabilidades incluirão a definição e legalização da política ASML em relação aos órgãos internacionais e autoridades locais.

O maior cliente da ASML na China continua sendo o fabricante local de semicondutores, SMIC, embora a ASML tenha muitos outros clientes na China além da ASML. A SMIC e outras empresas chinesas continuam a construir novas fábricas e precisam de novos equipamentos para produzir chips, embora o fornecimento dos equipamentos mais avançados – scanners da gama EUV – para a China seja proibido. Mas além dos scanners EUV, existem muitas outras ferramentas que podem ser importadas para a China, e isso é tratado pelo estado ASML local.

A empresa acredita que está oportunamente envolvida no processo de retomada da produção ativa de chips na China e poderá ajudar a acelerar a eliminação da escassez de semicondutores em todo o mundo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.