A fabricante de eletrônicos e eletrodomésticos Xiaomi anunciou que no primeiro trimestre de 2022, a receita diminuiu 4,6%, para 73,4 bilhões de yuans (US$ 10,9 bilhões). Isso foi facilitado por severas restrições impostas pelas autoridades chinesas para combater a disseminação da infecção por coronavírus, bem como pela escassez global de componentes.

O prejuízo líquido da Xiaomi nos primeiros três meses de 2022 foi de 587,6 milhões de yuans (cerca de US$ 80 milhões), enquanto um ano antes no mesmo período foi obtido um lucro de 7,8 bilhões de yuans (US$ 1,16 bilhão). Neste contexto, a maior fabricante chinesa de smartphones continua a perder quota de mercado global, pelo que os principais concorrentes, como a Samsung e a Apple, continuam a aumentar as vendas.

Os fabricantes chineses de smartphones estão passando por dificuldades, inclusive devido às duras medidas que estão sendo tomadas para combater o coronavírus. Isso acarreta uma diminuição da demanda no mercado doméstico, e também leva a uma ruptura nas cadeias de suprimentos. As maiores fábricas de Xangai foram forçadas a trabalhar sob estritas restrições à circulação de trabalhadores desde o final de março, após um surto de infecção por coronavírus ter sido registrado na região.

O declínio no negócio de smartphones, que responde por cerca de 60% das vendas da Xiaomi, o fornecedor está tentando compensar com eletrodomésticos e outros eletrônicos. Anteriormente, soube-se que a Xiaomi notificou os fornecedores para reduzir a meta de lançamento de smartphones em 2022 de 200 milhões de unidades para 160-180 milhões de unidades.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.