Ficou conhecido que a Autoridade de Concorrência da União Europeia se interessou pelas políticas de licenciamento de vídeo usadas pela Alliance for Open Media (AOM), formada por Google, Amazon, Apple, Meta* e outros. A nova investigação foi mais um golpe para os gigantes de TI , que, como é de esperar, os modelos de negócio existentes terão de mudar de forma a fazer mais para combater a distribuição de conteúdos ilegais nas suas plataformas.

Fonte da imagem: Reuters

«A Comissão confirma que realizou uma investigação preliminar sobre a política de licenciamento da AOM. O fato de a Comissão Europeia estar realizando uma investigação preliminar não significa que haja violações”, disse um representante do poder executivo da UE. Os representantes oficiais da AOM até agora se abstiveram de comentar sobre esta questão.

A Open Media Alliance foi fundada pelo Google, Microsoft, Mozilla, Cisco, Intel, Netflix e Amazon em 2015. Sua principal tarefa é desenvolver formatos de mídia, codecs e tecnologias de nova geração no interesse dos usuários. Em 2018, a AOM lançou a especificação gratuita AOMedia Video Codec 1.0 (AV1) para permitir streaming de vídeo de alta definição em navegadores, aplicativos e jogos. Embora o AV1 ainda não tenha sido amplamente adotado, Netflix e YouTube já começaram a usar o padrão, e os navegadores Google Chrome e Mozilla Firefox têm suporte para ele.

Segundo a fonte, as atividades da AOM podem ser consideradas anticompetitivas se for constatado que a organização impõe prazos de licenciamento para AV1 a empresas que não faziam parte do consórcio no momento da criação da AV1, mas cujas patentes são essenciais para determinar sua especificações. Tais ações podem prejudicar o desenvolvimento das pequenas empresas, bem como privá-las do incentivo para desenvolver e implementar inovações. A violação das leis antitruste da UE pode resultar em grandes multas para as empresas, de até 10% dos ganhos anuais na região.

* Está incluído na lista de associações públicas e organizações religiosas em relação às quais o tribunal tomou uma decisão final para liquidar ou proibir atividades com base na Lei Federal nº 114-FZ de 25 de julho de 2002 “Sobre o combate ao extremismo atividade”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.