De acordo com o The Wall Street Journal (WSJ), citando suas próprias fontes, o Google, que faz parte da holding Alphabet, concordou em fazer concessões para evitar um processo antitruste dos EUA contra seu negócio de publicidade.

Fonte da imagem: Photo Mix / pixabay.com

Fontes do WSJ afirmam que, como uma das opções, o Google propôs separar sua direção, que está envolvida em realizar leilões de publicidade e colocar anúncios em sites e aplicativos, em uma empresa independente como parte da holding Alphabet. Dependendo dos ativos transferidos, a empresa pode ser avaliada em várias dezenas de bilhões de dólares.

É difícil dizer se tal proposta iria de acordo com o Departamento de Justiça dos EUA, cuja divisão antitruste já sinalizou que seu cenário preferido seria uma profunda mudança estrutural na direção publicitária do Google. O Departamento de Justiça vem tentando há algum tempo determinar a validade das alegações de que a empresa está abusando de seus papéis como corretora de anúncios online e leiloeira. Já neste verão, dizem as fontes, a agência pode entrar com uma ação antitruste.

Fonte da imagem: succo/pixabay.com

Qualquer mudança estrutural no negócio de publicidade do Google pode abalar toda a indústria global: de acordo com a empresa de pesquisa de mercado eMarketer, as compras globais de anúncios online chegarão a US$ 600 bilhões este ano. Em comparação, a receita de serviços de corretagem do Google para sites e aplicativos no ano de 2021 foi de US$ 31,7 bilhões, e isso é aproximadamente 12% da receita total da Alphabet.

Reguladores em todo o mundo estão confusos com muitos aspectos das atividades de publicidade do Google. Hoje, a empresa oferece um conjunto completo de ferramentas para anunciantes e sites – tem a capacidade de definir preços sozinho, mas rejeita qualquer acusação de abuso de tal poder. Por exemplo, os departamentos relevantes categoricamente não gostaram quando, cerca de cinco anos atrás, o Google os forçou a comprar publicidade no YouTube apenas dele, removendo todos os concorrentes desse trabalho.

E a empresa também não é alheia às investigações antitruste: em 2013, teve que fazer concessões significativas no confronto com a Comissão Federal de Comércio dos EUA. E em 2015, ela tentou três vezes negociar com funcionários da UE, mas eles permaneceram inflexíveis e emitiram três multas no total de US$ 8,4 bilhões. , o que limitará significativamente os recursos do Google. Regulamentos semelhantes estão sendo preparados nos Estados Unidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.