Embora o Japão ainda seja considerado por muitos como um dos principais líderes em tecnologia, as coisas no país não são nem de longe tão boas quanto costumavam ser. O fim do suporte da Microsoft para o desatualizado navegador Internet Explorer tem causado sérios problemas para estruturas governamentais e comerciais, que vêm arrastando seus recursos da web até o fim.

Fonte da imagem: JESHOOTS.COM/pixabay.com

Desde abril, a desenvolvedora de software Computer Engineering & Consulting (CEC) com sede em Tóquio não consegue acompanhar os pedidos devido a um grande fluxo de pedidos de ajuda, de acordo com o Nikkei Asian Review. Os clientes incluem predominantemente departamentos governamentais, instituições financeiras e empresas de manufatura que ainda possuem sites otimizados para o Internet Explorer. De acordo com a CEC, o fim do apoio já é conhecido há muito tempo, mas muitos têm demorado a tomar as medidas necessárias. Espera-se que o caos resultante continue por vários meses.

A Microsoft encerrou oficialmente o suporte ao Internet Explorer em 15 de junho, após 27 anos do navegador. Muitos usuários há muito mudaram para alternativas, mas muitas organizações ainda aderem às soluções criadas para o navegador antigo. De acordo com uma das pesquisas de março, 49% dos entrevistados reconheceram seu uso no trabalho.

Ressalta-se que o navegador é utilizado não apenas como meio de visualização de sites, mas também como meio auxiliar de acompanhamento da assiduidade dos colaboradores e para trabalhar com outras ferramentas corporativas internas. Alguns portais governamentais, incluindo um recurso de fundo de pensão local, observam que mesmo em novos navegadores, os formulários online devem ser preenchidos no modo Internet Explorer, e alguns recursos recomendam oficialmente a antiga solução da Microsoft como seu navegador principal.

Lançado em 1995, o navegador se tornou o padrão mundial da indústria ao mesmo tempo, substituindo o Netscape, que em 2009 representava 65% do mercado. No entanto, no final dos anos 2000, sua participação começou a cair rapidamente e, segundo o StatCounter, agora é inferior a 1%.

Um dos motivos é a não conformidade com os padrões internacionais para tecnologias web. De acordo com especialistas, o navegador fez um trabalho ruim ao processar JavaScript e outros códigos em linguagens de programação alternativas, o que o impediu de ser usado com sites interativos. O declínio do Internet Explorer coincidiu com a ascensão do Google Chrome, que agora domina o mercado global com 65% de participação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.