Coreia do Sul suspende toque de recolher para jovens jogadores

As autoridades sul-coreanas decidiram abandonar o “toque de recolher”, que legalmente proibia crianças menores de 16 anos de jogar no computador da meia-noite às 6h. Argumenta-se que a política de juventude agora prevê mais flexibilidade e, em vez de medidas restritivas unilaterais, dará mais controle às crianças e seus pais.

Koreatimes.co.kr

O sistema, que tecnicamente não permitia que crianças menores de 16 anos jogassem jogos de computador online, foi introduzido há 10 anos. Supunha-se que isso permitiria às crianças dormir o suficiente e proteger sua saúde, já que o vício do jogo se tornou um problema importante no país. No entanto, a eficácia de tais restrições tem sido questionada e criticada repetidamente por violar o direito das crianças à sua própria escolha – para não mencionar os protestos de membros da indústria de jogos.

É relatado que o principal motivo para a abolição do “toque de recolher” foi a mudança no próprio ambiente de jogo – os jovens usuários abandonam os jogos de computador em favor dos móveis, que não estão sujeitos a restrições legais. Além disso, à noite, as crianças têm acesso a um grande número de plataformas de mídia e redes sociais com conteúdos alternativos de entretenimento não relacionados a jogos, de forma que a lei simplesmente perde o sentido.

Segundo as autoridades, o sistema de proibições foi concebido como um instrumento de proteção às crianças, mas agora virou o contrário, pois a restrição do direito de brincar unilateralmente priva as crianças do “direito à autodeterminação”. A remoção completa das restrições levará algum tempo para alterar o quadro jurídico.

Ao mesmo tempo, menores de 18 anos e seus pais ainda poderão definir limites de tempo para jogos online por conta própria – este sistema continuará a funcionar.

T.N. A Associação da Indústria de Jogos da Coreia acolheu calorosamente a mudança. Segundo os seus representantes, as restrições técnicas há muito prejudicam a indústria nacional do jogo, sem falar na sua ineficiência, na violação dos direitos das crianças e no enfraquecimento da competitividade dos serviços de jogo. A associação disse que está envidando todos os esforços para garantir que os pais saibam mais sobre os sistemas de proteção à criança já integrados em cada jogo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *