Esta não é a primeira vez que o Google é acusado de coleta descontrolada de dados sobre usuários em todo o mundo, de tempos em tempos tomando medidas para limitar a operação de suas soluções de software em um determinado país. Por exemplo, o governo holandês decidiu limitar o uso do Google Chrome e ChromeOS devido a preocupações com a privacidade dos dados dos alunos.

Fonte da imagem: Brooke Cagle/unsplash.com

Ainda não há nenhuma palavra sobre uma proibição total. No entanto, de acordo com a Bleeping Computer, as autoridades locais decidiram limitar o uso do navegador e do sistema operacional “browser” nas escolas até pelo menos o segundo semestre de 2023. Muitos motivos são citados, incluindo a grande quantidade de informações coletadas sobre os alunos e compartilhadas com anunciantes parceiros e a falta de transparência sobre onde os dados são realmente armazenados.

O Ministro da Educação e o Ministro da Educação Primária e Secundária da Holanda, que assinaram o apelo aos legisladores locais, declaram a necessidade de tomar medidas de segurança ao usar os produtos do Google mencionados. Eles também observaram que já realizaram reuniões com representantes de gigantes da tecnologia, incluindo Google, Microsoft e Zoom, dedicadas à proteção de dados e à necessidade de aumentar a transparência no uso das informações dos usuários em seus produtos. As empresas prometeram tornar as versões futuras dos produtos de software mais transparentes e compatíveis com as leis da UE. Segundo relatos, o Google concordou em lançar novas versões do Chrome e ChromeOS até o próximo ano e, embora os reguladores locais imponham algumas restrições, elas serão avaliadas após a preparação de novos produtos.

A restrição inclui o uso de vários serviços, como tradução automática de sites e verificação ortográfica, que permite a transferência de informações para fora da Europa. Além disso, os armazenamentos de dados dos alunos no Google Cloud devem estar localizados na Europa, e os usuários não podem alterar as configurações. Por fim, a personalização de anúncios deve ser desativada por padrão e as restrições também serão aplicadas ao YouTube e ao mecanismo de pesquisa do Google.

Até agosto de 2023, as escolas ainda poderão usar as versões existentes do Chrome e do ChromeOS, sujeitas às proteções recomendadas pelas autoridades holandesas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.