A decisão da Microsoft de encerrar o suporte ao Internet Explorer marcou o fim de uma relação de amor e ódio de um quarto de século para o engenheiro de software sul-coreano Jung Ki-young. Para comemorar este evento, ele gastou um mês de sua vida e 430.000 won (US$ 330) desenhando e fazendo uma lápide para o navegador: o clássico logotipo “e” e o epitáfio em inglês “Foi uma boa ferramenta para baixar outros navegadores” foram esculpidos em pedra.

Fonte da imagem: reuters.com

Na quarta-feira passada, a Microsoft finalmente encerrou o suporte para o navegador Internet Explorer, antes quase incontestável – funcionou por 27 anos e deu lugar ao seu sucessor baseado no Chromium, o Microsoft Edge.

Feito em homenagem ao programa cult, o programador instalou uma lápide no café do irmão na cidade de Gyeongju, no sul do país, e a foto do objeto rapidamente se tornou viral. Jung disse que a arte refletia seus sentimentos confusos sobre o navegador, que desempenhou um papel significativo em sua vida profissional. “Foi uma dor de cabeça, embora eu chame isso de uma relação de amor e ódio, porque o Explorer já dominou a época”, comentou ele sobre sua iniciativa aos repórteres da Reuters.

O programador observou que a verificação da compatibilidade de sites e aplicativos da web com o Internet Explorer sempre levava mais tempo do que com outros navegadores. No entanto, os clientes insistiram, pois permaneceu o navegador padrão em escritórios governamentais e bancos na Coréia do Sul.

Lançado em 1995, o Internet Explorer foi o principal navegador do mundo por mais de uma década – ele veio junto com o sistema operacional Windows. Mas no final dos anos 2000, ele começou a perder o Google Chrome e finalmente se transformou no herói dos memes que ridicularizavam a lentidão do antigo navegador. Jung disse que só queria fazer as pessoas rirem com essa lápide cômica e não esperava que a piada se espalhasse tão amplamente na web.

«Essa é mais uma razão pela qual eu tenho que agradecer ao Explorer, porque ele me permitiu brincar em nível mundial. Lamento que ele não exista mais, mas não vou sentir falta dele”, finalizou o programador.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.