Foi criado um transistor híbrido baseado em seda – uma combinação promissora de silício e biotecnologia

Cientistas da Universidade Tufts (EUA) apresentaram um protótipo de transistor híbrido à base de seda. O material biológico foi incluído no processo padrão de produção de chips, o que promete generalizar seu uso. A combinação de silício e biotecnologia permite que circuitos eletrônicos híbridos respondam simultaneamente a sinais elétricos e biológicos, abrindo caminho para sensores de saúde e processadores neurais.

Fonte da imagem: Universidade Tufts/Silklab

Os pesquisadores há muito procuram uma ponte entre seres vivos e não vivos, que permitirá criar interfaces neurais entre dispositivos eletrônicos e organismos vivos. As perspectivas para tais soluções não podem ser subestimadas. Redes neurais, processadores semelhantes ao cérebro, sensores de processos biológicos no corpo humano – isso mudará muita coisa na vida das pessoas. Isso não acontecerá amanhã ou depois de amanhã, mas mais cedo ou mais tarde o mundo se tornará completamente diferente.

Se os recém-introduzidos transistores híbridos impulsionarão essas mudanças ou se cairão no esquecimento, ainda não sabemos. Mas nesta fase, o desenvolvimento demonstra uma série de propriedades interessantes, por exemplo, a capacidade de se enquadrar em processos técnicos modernos de produção de microcircuitos.

O processador híbrido proposto pelos cientistas utiliza um material à base da proteína fibroína, que faz parte dos fios de seda e, por exemplo, das teias de aranha, como isolante (obviamente uma porta). Esta proteína apresentou boa responsividade à regulação de sua condutividade iônica por pulsos eletrônicos e biomarcadores.

Na verdade, estamos lidando com algo que lembra muito o funcionamento de uma célula de memória ReRAM: a saturação da camada de trabalho com íons altera a resistência ali. Assim, o transistor híbrido baseado em seda cobre completamente o campo de aplicação da memória resistiva ou memristor, como a HP a chamou, e ainda vai além dele, pois entra no campo da biologia.

Com base na solução proposta, os pesquisadores criaram um sensor respiratório sensível à umidade. A saúde humana é uma área que pode tornar-se um terreno fértil para muitos empreendimentos promissores, e o “transistor de seda” pode muito bem tornar-se um deles.

avalanche

Postagens recentes

Os jogos do Nintendo 64 estarão disponíveis em 4K – anunciado console de jogos analógico 3D

Analogue anunciou um console de jogos 3D. Ainda há poucas informações sobre o novo produto,…

10 horas atrás

GTA pode aparecer no catálogo da Netflix, e testes de streaming de jogos em nuvem chegaram aos EUA

O Wall Street Journal (WSJ), citando fontes bem informadas, compartilhou informações sobre os planos da…

11 horas atrás

ASRock apresentou placas baseadas em Intel Z790 para processadores Intel Raptor Lake-S Refresh

ASRock lançou as placas-mãe Z790 NOVA WiFi, Z790 Riptide WiFi e Z790 Lightning WiFi para…

13 horas atrás