Uma misteriosa explosão rápida de rádio das profundezas do Universo foi além das teorias conhecidas

Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu uma explosão rápida de rádio que não pode ser explicada pelas teorias atuais. Tais sinais foram registrados pela primeira vez em 2007 e ainda aguardam explicação. Alguns até os consideraram sinais de alienígenas, mas esta teoria não prevaleceu. Uma nova explosão de rádio, incomum em força e distância, representa um novo mistério, e resolvê-lo significa avançar na compreensão dos segredos do Universo.

Fonte da imagem: Pixabay

FRB 20220610A foi detectado em junho de 2022 pelo conjunto de antenas de rádio ASKAP (Australian Square Kilometer Array Pathfinder) com sede na Austrália. Uma pesquisa óptica usando o telescópio VLT identificou a origem da explosão de rádio – uma galáxia sem nome localizada a uma distância de quase 8 bilhões de anos-luz. Isso se tornou uma sensação por vários motivos.

Ninguém jamais detectou um FRB (rajada rápida de rádio) tão longe. A potência do sinal também acabou sendo um recorde e foi 3,5 vezes maior do que o máximo registrado anteriormente. Em apenas alguns milissegundos do evento, a energia equivalente à soma de todas as emissões de energia do nosso Sol ao longo de 30 anos foi enviada para o espaço.

De acordo com uma teoria, rajadas rápidas de rádio ocorrem durante “estrelas”. Uma estrela de nêutrons que emite um sinal o produz devido a deslocamentos em sua crosta, que sofre enorme pressão e, portanto, dota o impulso de uma energia inimaginável. Porém, tais processos impõem restrições ao brilho do evento, e o FRB 20220610A excedeu muitas vezes todos os valores calculados.

Outra teoria é que as explosões rápidas de rádio ocorrem quando partículas de alta velocidade ejetadas por estrelas de nêutrons colidem com a matéria circundante no vento estelar. Mas os dados do FRB 20220610A também vão além deste modelo, e os cientistas têm muito que resolver.

Mas isso não é tudo. A rápida explosão de rádio FRB 20220610A pode fornecer uma assistência inestimável na busca por matéria comum invisível no Universo – gás interestelar frio e poeira que não é visível na faixa óptica e é mal detectada em outras pessoas, especialmente a grandes distâncias de nós.

A diferença no espectro de um sinal voando livremente e um sinal rompendo nuvens de matéria bariônica. Fonte da imagem: ICRAR

O fato é que, no processo de propagação por todo o Universo, à medida que nuvens de poeira e gás passam, o sinal de rádio, digamos, se divide. É semelhante ao aparecimento de um arco-íris no céu quando a luz do Sol é refratada pelas gotas de chuva. Diferentes comprimentos de onda são desviados em diferentes quantidades à medida que passam por nuvens de poeira e gás, que têm seu próprio fundo eletromagnético e interferem naturalmente nas ondas eletromagnéticas em uma rápida explosão de rádio. Para o FRB 20220610A, a dispersão revelou-se atípica, embora algo semelhante já tivesse sido registrado antes.

Isto significa que os cientistas terão que levar em conta um novo fator ao detectar matéria interestelar fria usando FRBs. Esta “linha” acabou por não ser tão simples como se pensava anteriormente. Mas é ainda mais importante levar em conta todas as nuances. Quanto mais precisa for a nossa matemática, mais aprendemos sobre o mundo em que vivemos.

avalanche

Postagens recentes

Após o relatório trimestral da Tesla, as ações da empresa e de seus concorrentes chineses caíram de preço

No evento trimestral da Tesla, o chefe da montadora, Elon Musk, expressou séria preocupação com…

3 horas atrás

AMD lançará uma placa de vídeo profissional Radeon PRO W7700

Como parte da apresentação dos mais recentes processadores HEDT de desktop Ryzen Threadripper 7000 e…

5 horas atrás

FCC libera dispositivos de consumo para usar a maior parte da banda de 6 GHz

A Comissão Federal de Comunicações (FCC) decidiu expandir o uso da banda de 6 GHz…

5 horas atrás