Gatinhos. A BlueTwelve, que foi formada pelo pessoal da Ubisoft em meados dos anos 2010, nem precisou entrar em detalhes sobre que tipo de jogo espera no final: fotos de um gato que, com a graça inerente a esses animais, pula telhados, rasgando tapetes e arqueando as costas ao ver o perigo, eles automaticamente atraíram mais atenção para o HK_project (como Stray foi chamado em um estágio inicial de desenvolvimento). A comitiva cyberpunk só aumentou a intriga, mas quando a Annapurna Interactive pegou o jogo após cinco anos de desenvolvimento, as apostas dispararam.

Ao mesmo tempo, existem muitos jogos em que os animais são os personagens principais (e não necessariamente antropomórficos, o que está especialmente na moda ultimamente), desde a série Shelter condicionalmente realista até contos de fadas à maneira de Lost Ember. No mesmo dia, Stray lançou, por exemplo, a fábula ecológica Endling sobre raposas. Mesmo os jogos em que o jogador controla um gato também estão a granel – dos parabéns dos desenvolvedores de vários jogos de “gato” em homenagem ao lançamento de Stray, um tópico muito gordo saiu no Twitter. Mas Stray ainda se destaca nesta série – ninguém ainda transferiu os hábitos dos gatos para o mundo do jogo com tanta precisão e, mais ainda, eles não os inseriram em uma história tão animada e interessante.

O jogo de luz e reflexos em Stray é um prazer à parte

⇡#O gato que não queria andar sozinho. Mas eu tive que

Acordando em uma ruína industrial pitoresca coberta de vegetação, nosso herói se espreguiça, acaricia seus irmãos, brinca um pouco, afia as garras em uma árvore e adormece novamente – a doce vida do gato. A propósito, o gênero do protagonista Stray não é divulgado – nunca saberemos se é um gato ou um gato: a incerteza de gênero está bem no espírito da época. Nós nem falamos sobre o apelido – o verdadeiro Sem Nome.

Colocar uma mochila pela primeira vez (na qual o drone B-12 se move) pressiona nosso herói no chão, impossibilitando o movimento

E assim o mini-orgulho começa, mas sob o protagonista ruivo, em algum momento, o suporte quebra e ele cai em um buraco profundo. É hora de começar a jornada lá fora, mas agora sozinho – e sendo o único habitante vivo (no sentido convencional da palavra) de uma cidade de vários níveis habitada principalmente por robôs. Mas não só eles. As pessoas desapareceram, mas deixaram algo para trás – e isso é algo muito assustador em alguns lugares.

Nosso herói percorre a cidade deserta, concentrando-se nos símbolos de que alguém o deixa: o gato não apenas demonstra habilidades primordiais de gato – ele pula lindamente e quebra coisas (que serão maravilhosamente derrotadas no final), – mas também difere em inteligência e engenhosidade, às vezes evocando associações com corgi Ein do anime “Cowboy Bebop”. Ele não sabe ler e falar, mas isso não é necessário – os símbolos que levam ao seu local de residência foram deixados por um drone B-12 em miniatura, com o qual teremos que continuar procurando uma maneira de a superfície.

Os arranhões permanecem nos móveis, como todas as superfícies adequadas para pontos de garra.

O início de Stray não brilha com originalidade, porém, como toda a trama, mas a narrativa aqui é construída com firmeza, os personagens são coloridos, a intriga se mantém do começo ao fim, o ambiente é recheado de detalhes interessantes para estudar , e um leve nevoeiro de insinuações deixa espaço para especulações e fantasias. Mas Stray não conta uma história impressionante – aqui é mais uma ocasião para uma jornada emocionante e emocional e um cenário intrigante, do que algo de valor em si. Mas isso é suficiente.

⇡#Gatos não são como pessoas

Desde os primeiros minutos, Stray apenas demonstra para o que a maioria dos jogadores virá aqui – este é realmente um jogo extremamente “gato”. Em primeiro lugar, o personagem principal é absolutamente brilhantemente animado – parece que (junto com um design gráfico não menos impressionante) e levou a maior parte dos sete anos de desenvolvimento. Os movimentos são muito suaves, naturais, reproduzindo com precisão os hábitos de um gato – praticamente não há momentos em que sentimos algum tipo de ruptura com o protagonista. Mas há muitas coisas feitas especialmente para a ternura.

A designer de robôs “Vovó”, que ganha a vida tricotando cabos – em ternura

Por exemplo, há um botão especial para miar e de maneiras diferentes (não podemos configurá-lo ainda) – no começo ajuda a encontrar uma maneira, o mundo reage aos sons feitos pelo gato. Então podemos apenas miar de prazer. Isso, no entanto, não é surpreendente – sem sentido, mas trabalhando na atmosfera, as ações pressionando uma tecla especial não são tão raras: lembre-se do mugido de Red do Transistor ou abraços no Spiritfarer. Mas Stray tem um arsenal muito mais rico: podemos afiar nossas garras em uma variedade de objetos (geralmente tapetes e móveis de madeira), esfregar nas pernas ou deitar no peito dos robôs, invariavelmente tocá-los, ficar sob os pés, adormecer docemente em lugares aconchegantes e, claro, largar itens. E isso não é tudo – no caminho encontraremos caixas nas quais você precisa pular, um piano no qual você pode “tocar”, sacos de papel, que pode ser colocado na cabeça, perdendo a orientação no espaço, e assim por diante. Neste ponto, todo fã de gatos pode parar de ler e comprar Stray.

O que fazer com alguém que é indiferente aos gatos (bem, você nunca sabe, de repente você é uma pessoa de cachorro) ou não se impressiona com a perspectiva de fazer todo tipo de coisas com gatos por várias horas? Sim, em princípio, também vá comprar Stray. É uma aventura lindamente trabalhada.

Certamente ninguém da Bethesda se mudou para BlueTwelve?

É um jogo antiquado à sua maneira – sem mecânica de combate, mas não é um simulador de caminhada (com patas macias): combina quebra-cabeças, elementos furtivos e uma espécie de plataforma. O equilíbrio é meticuloso: Stray não é um jogo difícil, mas define regularmente uma variedade de tarefas para o jogador, não deixando você ficar entediado ou imerso no processo rotineiro. Ao mesmo tempo, você não pode pular livremente, não há nem um botão de salto como tal – por isso chamei a plataforma de peculiar, porque é, na verdade, procurar o lugar certo para pular, destacado com um símbolo de chave. Mas às vezes você tem que fazer isso rapidamente – e o jogo dá adrenalina. Ao mesmo tempo, Stray é muito vertical, é extremamente interessante subir aqui – não apenas para progredir na trama, mas também para ver um mundo escrito com muito amor. Bem, procure segredos, eles estão aqui em abundância.

E não, apesar do jogo ter sido feito por pessoas da Ubisoft, não há torres aqui. Por que há torres, não há nem mapa, é preciso ter em mente todos os locais. O mundo aqui não é aberto, como se poderia pensar assistindo aos trailers (pelo menos eu pensava assim), mas consiste em uma sequência de lugares para explorar. Alguns são maiores – demoram várias horas e aqui você pode até encontrar tarefas secundárias; outros atravessam e rapidamente – mas penetram na atmosfera sob a pele. Em um dos lugares, através de um pós-apocalipse pitoresco, triste, mas aconchegante com sotaque asiático (os desenvolvedores se inspiraram no distrito de Kowloon de Hong Kong), os contornos de Giger ou Beksinsky aparecem de repente. E tudo isso sem quebrar o clima geral de Stray, equilibrando entre ternura e tristeza.

Talvez os melhores momentos do jogo sejam quando você pode simplesmente se deitar, enrolado sob uma música suave

Separadamente, é claro, é necessário observar o design gráfico. Este é o primeiro jogo do BlueTwelve, e a empresa obviamente não trabalhou com um orçamento gigantesco, mas utilizou os recursos disponíveis simplesmente lindos: já observei a animação do gato acima, a animação facial foi jogada ao mar, povoando o mundo com robôs com tela rostos, eles não visavam o mundo aberto, mas todos os cantos do Stray parecem ótimos. Poucos jogos AAA podem se orgulhar de tanta atenção aos detalhes. Ao mesmo tempo, não há problemas sérios com otimização – em alguns lugares a taxa de quadros caiu, mas acho que isso será corrigido nos primeiros patches – não causa um problema sistêmico.

Bem, não se pode deixar de dizer sobre o tato do Stray – você precisa jogá-lo com um gamepad com feedback de vibração. Por exemplo, conectei um DualShock ao meu PC – e mesmo isso é mais do que suficiente para sentir como o gato ronrona, como fica assustado e como seu pelo se esfrega. Em um PlayStation com DualSense, ouso dizer que o efeito é ainda mais poderoso.

***

«On the Shore” Stray é percebido principalmente como um jogo sobre um gato – cyberpunk e pós-apocalipse, dizem eles, vimos muitos lugares, mas correr com patas macias é uma atividade rara e intrigante. E não posso dizer que o jogo destrua essa impressão. Sim, esta é uma aventura de história sólida, da qual é difícil romper por 6-8 horas, o que levará uma jogada, mas isso definitivamente não é uma grande afirmação. Ainda é “apenas um jogo sobre um gato”.

No entanto, este é um “jogo de gato” realizado em um nível incrivelmente alto, com tanta ternura e atenção não apenas ao herói peludo, mas também ao mundo ao seu redor, que acaba sendo algo mais do que apenas uma aventura de gato para algumas noites. Pelo menos ainda não vimos esses gatos em jogos.

Vantagens:

  • é muito divertido brincar de gato;
  • Você pode rasgar móveis e derrubar coisas, além de se esconder em caixas;
  • Belas animações e elaboração visual geral impressionante;
  • Jogabilidade não desafiadora, mas emocionante e muito diversificada.

Imperfeições:

  • Enredo bastante inexpressivo;
  • Alguma falta de liberdade de ação – e isso está em um jogo sobre um gato!

Gráficos

Apenas um exemplo para todos como trabalhar com recursos limitados. Stray parece um jogo AAA feito à mão sem ser um – é apenas que os pontos fortes são enfatizados e os pontos fracos são jogados ao mar.

Som

A música não é muito memorável, mas se encaixa muito bem na atmosfera e define os acentos. Não há dublagem – os personagens falam sem sentido, que o drone B-12 transforma em texto compreensível. Outro exemplo de trabalho cuidadoso com recursos – o gato ainda não entende nada (por que, então, realmente o drone traduz?).

Jogo para um jogador

Uma aventura linear que facilmente muda de gênero dentro de si: seja uma espécie de plataforma, ou uma busca para encontrar os itens certos, ou um quebra-cabeça ou furtividade. É importante que todas as mecânicas do jogo sejam adequadas e perfeitamente combinadas com a essência felina do protagonista.

Jogo coletivo

Não fornecido.

Tempo estimado de viagem

6 a 8 horas (dependendo do seu amor por colecionar segredos)

Impressão geral

Não é um jogo, mas o sonho de qualquer fã de gatos, que ao mesmo tempo acaba sendo não apenas um “simulador de gatos”, mas uma história bem contada e interessante.

Classificação: 9,0/10

Saiba mais sobre o sistema de classificação

Vídeo:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.