No More Heroes 3 é uma longa piada. Análise

No More Heroes, lançado para Wii em 2007, rapidamente ganhou status de culto e, ao mesmo tempo, tornou-se o primeiro projeto em que o designer de jogos Goichi Suda, também conhecido como Suda51, se voltou para um público de massa. Insolentemente punk (e o jogo ganhou esse nome em homenagem a uma faixa do álbum da banda punk The Stranglers), suja e rude, ela apresentou a colorida cidade de Santa Destroy e o idiota Travis Touchdown, um otaku hardcore com sabre de luz. O cara queria se tornar o primeiro no ranking dos assassinos e, sem pensar duas vezes, foi eliminar os dez primeiros assassinos. A continuação, da qual o Suda não participou realmente, saiu três anos depois, acrescentando ainda mais loucura, mas oferecendo exatamente a mesma coisa. Após 11 anos, No More Heroes por algum motivo recebeu a terceira parte, porém, apesar do retorno do game designer ao posto de chefe,

O principal vilão chamado Fu entende as tendências atuais

⇡#De novo não, mas de novo

Na verdade, para No More Heroes 3 foi como se aqueles 14 anos não tivessem acontecido. Estruturalmente, nada mudou, então o jogo se parece desesperadamente com a primeira parte. Novamente, você precisa chegar ao primeiro lugar no ranking, passando por cima dos outros, só que desta vez matando não terráqueos aberrações, mas invasores alienígenas. Mais uma vez, as viagens mais inúteis pela cidade voltaram, descartadas da sequência como desnecessárias. A essência desses movimentos é a mesma – perder tempo. Na edição de estreia, para participar da próxima luta, era preciso economizar dinheiro para contribuir com atividades monótonas como pegar escorpião, roçar grama, colher cocos e outros “trabalhos secundários” para, por assim dizer, sinta toda a rotina da vida comum.

Trikvel foi ainda mais longe. Agora, para chegar ao chefe, primeiro você precisa passar por várias batalhas obrigatórias. Depois disso, pegue a quantia necessária, caso não tenha tido tempo de economizar dinheiro nos testes, e só então vá matar o próximo oponente. O engraçado é que toda vez que você tem que gastar 30-40 minutos em todos esses movimentos corporais sem sentido, o próprio líder morre em dois minutos. Bem, três, se de repente você não entendeu imediatamente o que exatamente precisa ser feito. Então tudo se repete de novo. Conteúdo realmente significativo no jogo por uma hora no máximo, o resto do tempo você está envolvido em tolices rebuscadas.

Вжух — и нет головы

Vzhuh – e não há cabeça

Claro, podemos dizer que na primeira parte havia a mesma situação, mas não é o caso. Em No More Heroes, o dinheiro, especialmente no segundo tempo, acumulou-se muito rapidamente. E não havia necessidade de procurar constantemente por algo no mapa, e antes dos chefes fortes havia níveis separados cheios de bucha de canhão na forma de manequins comuns. Em No More Heroes 3, não há locais únicos na frente dos principais rivais – com uma exceção. Em outros casos, eles são imediatamente jogados na arena.

Para ser justo, várias batalhas acabaram se revelando realmente interessantes: aqui vocês dois têm uma paródia das convenções do JRPG, e um jogo de ritmo absurdo, onde após o fim da música você precisa se sentar em uma cadeira mais rápido que o inimigo. No entanto, mesmo isso não pode ser comparado com os bosses das partes anteriores. Eles podem não se destacar em termos de mecânica, mas eram incrivelmente coloridos e memoráveis ​​- não tanto um comportamento excêntrico quanto suas visões de mundo. O atual “panteão” de assassinos é uma espécie de figurante multicolorido sem muita elaboração, máximo adequado para um papel coadjuvante, mas certamente não para estar no centro das atenções.

⇡#Quando “mais difícil” não significa “melhor”

O que realmente sofreu mudanças dramáticas é o sistema de combate. Anteriormente, era simples e necessário pressionar na maior parte apenas o botão de toque e, ocasionalmente, esquivar. Trikvel apresentou um “combate” mais complexo e exigente. Inimigos comuns “eliminam” Travis rapidamente, então você precisa monitorar a situação, desviar a tempo, usar quatro habilidades (outra inovação na série principal) e, em geral, ter cuidado. Mas a câmera permaneceu a mesma! Assim que você avista alguém, o operador voa quase perto – você não consegue ver o que está acontecendo nas laterais, e golpes dolorosos chegam da zona cega.

Тут без комментариев

Nenhum comentário aqui

Nas partes anteriores, isso não era um problema, já que os inimigos comuns se desintegravam com alguns acertos e o resto simplesmente não tinha tempo para fazer nada durante esse tempo. Aqui, os inimigos são incrivelmente tenazes e, além disso, eles aumentam a fortaleza conforme o poder de ataque do herói é bombeado. Como resultado, com +1, que com +10 para o dano de alienígenas, você tem que escolher por um minuto, o que mata completamente toda a unidade de batalhas. Nas partes anteriores, você explodiu na multidão, com um golpe violento estourou uma dúzia de cabeças, depois cortou duas infelizes ao meio e continuou correndo. No More Heroes 3 é muito mais lento e entediante – você raramente encontra mais de quatro inimigos em arenas, e cada um deles precisa ser chutado longa e tediosamente.

Finalmente, Suda51 francamente exagerou nas referências. All of No More Heroes 3 é uma alusão aos filmes de super-heróis, isso pode ser visto até nos vídeos. Além disso, Travis é levado para a espaçonave ao som de uma melodia muito semelhante à tocada em Arquivo X. Após os testes, o herói aparece no mapa como um exterminador, exceto talvez em roupas. O protagonista dirige uma motocicleta vermelha quase direto de Akira. O teletransporte entre locais parece que o DeLorean de Volta para o Futuro está fazendo outra jornada no tempo, e os símbolos estão passando por pontos de interesse – exatamente como em Matrix. Além disso, o personagem principal menciona constantemente os filmes de Takashi Miike. O álbum de estreia No More Heroes também foi inspirado pela cultura pop e uma grande variedade de pinturas, mas não se rebaixou a tais empréstimos explícitos. Talvez seja apenas um movimento artístico

O que realmente deu certo foram as tradicionais batidas na quarta parede. Travis não hesita em contatar o jogador diretamente, e em alguns diálogos os personagens brincam sobre o fato de que a continuação teve que esperar 10 anos. E, em geral, muitas conversas e situações, senão rir, certamente o farão sorrir. Principalmente no final, quando o enredo já ganhou ímpeto e começa a apresentar todos os trunfos inesperados.

Здесь я согласен с Трэвисом, потому что проходить NMH3 ску-у-у-у-у-у-у-у-учно-о-о-о-о-о

Aqui eu concordo com Travis porque para passar NMH3 sko-oo-oo-oo-oo-oo-oo-oo

Mas isso não salva o triquel. O primeiro No More Heroes estava longe de ser perfeito, mas peculiar, cruel e ousado. Na segunda vez, a ideia não funcionou tão bem. Na terceira série, finalmente, incapaz de oferecer pelo menos algo que as partes anteriores ainda não fizeram.

Claro, você pode descartar todas as deficiências em alguma décima camada de potirany e dizer que Suda51 está tirando sarro da rotina louca, monotonia, mundos abertos inúteis, inimigos de esponja e outras características de projetos AAA modernos com um novo projeto. Com essa abordagem, você pode procurar significados “ocultos” em qualquer artesanato – e, é claro, encontrá-los! Na verdade, No More Heroes 3 é apenas uma sequência ruim, que perdeu o charme bobo das partes anteriores, e um jogo de ação ousado com um monte de sangue e centenas de inimigos mortos foi trocado por enfadonho escolher alguns oponentes no mesmo arenas. Se você realmente quer ver o Sr. Sudu em toda a sua glória, tente The Silver Case ou Killer 7. A terceira parte de NMH mostra claramente que algumas das séries retiradas não precisam de continuação.

Vantagens:

  • Ainda interessantes batidas na quarta parede e muitas situações da categoria “o que foi aquilo agora?”;
  • Alguns chefes podem surpreendê-lo com uma abordagem não padrão para as batalhas.

Desvantagens:

  • O mundo aberto voltou, e com ele – “exploração” inútil e perda de tempo com testes estúpidos e monótonos;
  • O novo sistema de combate, por um lado, tornou-se mais divertido e mais complexo, mas, por outro, perdeu seu ímpeto anterior e é enfadonho, em vez de divertido;
  • Novos rivais não são adequados para os assassinos das peças anteriores, mesmo para o papel de papel higiênico;
  • Uma boa paródia é boa com moderação. A terceira vez para assistir a mesma coisa – desculpe, mas não.

Artes gráficas

O jogo, felizmente, funciona relativamente bem e até mantém uma taxa de quadros mais ou menos estável, no entanto, o “sabão” da imagem é impressionante. O desenho ácido dos alienígenas também dificilmente se destaca.

Som

A trilha sonora ainda é boa e, quanto à música, é tão aceitável que nenhuma faixa ficará na minha cabeça.

Jogo para um jogador

A terceira parte do NMH é quase uma cópia completa da primeira. Excluindo oponentes interessantes, uma “ação” simples, mas estimulante, e referências bem escritas a vários filmes.

Jogo coletivo

Não previsto.

Impressão geral

Às vezes, os episódios só precisam ser interrompidos. No More Heroes 3 não adiciona nada de novo ao que já foi dito nas duas partes anteriores, e muitos aspectos são implementados aqui piores do que em seus antecessores. Suda51 definitivamente pode fazer melhor, mas infelizmente não desta vez.

Avaliação: 5,0 / 10

Mais sobre o sistema de classificação

Vídeo:

1 thought on “No More Heroes 3 é uma longa piada. Análise

  1. FALTOU FALAR DA FALTA DE ARMAS NOVAS, ANTIGAMENTE DAVA PRA GASTAR SEU DINHEIRO COM NOVAS ESPADAS, ISSO MOTIVAVA A GENTE A MATAR INIMIGOS E REPETIR MISSÕES SÓ PARA COMPRAR UMA ESPADA NOVA, AGORA AS ESPADAS FORAM RETIRADAS TE DEIXANDO COM APENAS A PRIMEIRA ESPADA.

    A VARIEDADE DE VESTIMENTAS , OUTRO MOTIVO NA QUAL JUNTÁVAMOS NOSSO DINHEIRO PARA GASTAR NAS LOJAS DE ROUPAS, FORAM CAPADAS, APENAS TEMOS 4 VARIAÇÕES DE TRAJES ONDE EM APENAS 2 PODEMOS TROCAR AS ESTAMPAS DAS CAMISETAS, ESTAMPAS DESINTERESSANTES POR SUA VEZ.
    ESTAS ESTAMPAS SÃO CONQUISTADAS COM PEQUENAS SIDE QUESTS INÚTEIS..

    A HISTÓRIA AQUI NÃO FAZ MUITO SENTIDO, POIS O MELHOR AMIGO DE TRAVIS , BISHOP, HAVIA SIDO MORTO NO SEGUNDO JOGO, DECAPITADO, E AQUI ELE ESTÁ VIVINHO DA SILVA, ASSIM COMO A BAD GIRL QUE FOI UMA INIMIGA MORTA NO PRIMEIRO JOGO , QUE AGORA É AMIGA E MORA JUNTO COM TRAVIS, DOIDEIRA NÉ.

    MAS OQUE MAIS ME INCOMODOU FOI A FALTA DE CAPRICHO COM O CENÁRIO, ME SENTI JOGANDO UMA VERSÃO BETA OU ALGO PARECIDO, COM TEXTURAS BORRADAS, SEM ACABAMENTO, FALHAS DE CONSTRUÇÕES, COM BURACOS ONDE SE VIA O INTERIOR DESESTRUTURADO DOS PRÉDIOS, E CONSTRUÇÕES INACABADAS. APENAS 2 TIPOS DE PESSOAS EM TODAS AS CIDADES, QUE SE REPETIAM EM CORES DIFERENTES E SEM VARIAÇÕES ESPALHADAS DE FORMA BEM “ECONOMICA” , E MESMO ASSIM RARAS DE SE VER. NO PRIMEIRO JOGO A CIDADE ERA BEM MAIS ELABORADA E COM PELO MENOS 5 A 6 TIPOS DE PESSOAS ALEATORIAS QUE PERAMBULAVAM POR ELA.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *