MareNostrum-5 tem um destino difícil – o projeto foi congelado no verão passado devido a divergências entre os participantes, e isso aconteceu quando a sala de computadores do Centro de Supercomputadores de Barcelona estava quase pronta. Os participantes não puderam selecionar um fornecedor de hardware entre a IBM com a Lenovo e a Atos. Agora ficou conhecido que a Atos venceu, apresentando a nova plataforma BullSequana XH3000 HPC bem a tempo.

É verdade que agora o MareNostrum-5 não afirma mais ser o supercomputador mais rápido da Europa nos cálculos do FP64, pois seu desempenho será de 314 Pflops. Mas em cargas de trabalho de IA, como a NVIDIA disse ao HPCWire, não haverá igual na União Europeia – o nível de desempenho esperado neste caso será de 18 PFlops. O sistema será baseado em processadores Grace Superchip Arm, que serão complementados por aceleradores H100, uma interconexão InfiniBand NDR (Quantum-2), 200 PB de armazenamento e 400 PB de armazenamento de arquivo.

Imagem: BSC

Este será o segundo grande sistema europeu construído em Grace Arm-chips depois do ALPS. O custo do MareNostrum-5 será de 151,41 milhões de euros, metade deste valor será pago pela EuroHPC e metade do tempo de máquina irá para os membros do consórcio. Os restantes custos serão partilhados entre Espanha, Portugal e Turquia. O novo supercomputador será usado principalmente para pesquisa médica, desenvolvimento de medicamentos, desenvolvimento de vacinas, estudo da disseminação de vírus, bem como para tarefas de IA e Big Data.

Imagem: BSC

No entanto, cargas de trabalho de HPC mais tradicionais em climatologia, cálculos de engenharia, ciência de materiais, etc. nele também será realizado. A máquina terá alta eficiência energética. Está previsto alimentá-lo exclusivamente a partir de fontes de energia “verdes”, e o calor gerado será aproveitado. A este respeito, será semelhante ao LUMI finlandês, o supercomputador europeu mais rápido até hoje. Mas em breve o LUMI terá que dar lugar ao sistema exascale JUPITER (Alemanha).

Além do LUMI, quatro supercomputadores estão agora sob o patrocínio da EuroHPC: MeluXina (Luxemburgo), Karolina (República Tcheca), Discoverer (Bulgária) e Vega (Eslovênia). Em breve entrarão em operação os sistemas LEONARDO (Itália) e Deucalião (Portugal). Juntamente com o JUPITER, foram anunciados mais quatro supercomputadores: DAEDALUS (Grécia), LEVENTE (Hungria), CASPIr (Irlanda) e EHPCPL (Polônia). Bem, o MareNostrum-5 deve estar operacional em 2023.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.